A fome força as pessoas a agir contra a lógica

Parecemos pensar em nós próprios como criaturas altamente organizadas. Mas a nossa racionalidade desvanece-se quando se trata de satisfazer necessidades básicas.

A fome, por exemplo, leva-nos a comportarmo-nos de forma irracional e mesmo inadequada. E isto foi recentemente provado cientificamente.

Matar por comida

Provavelmente conhece pessoas que prefere não abordar quando estão com fome. Podem chicotear os outros e reagir exageradamente a pequenas coisas indignas. E Deus nos livre se é o seu parceiro, chefe ou professor que tem de fazer o seu exame...

Por vezes é a fome que faz com que as pessoas cometam crimes. Há alturas em que uma pessoa que se comporta adequadamente na vida normal, deixada sem meios de subsistência ou comida, recebe dinheiro ou comida dos que o rodeiam. Por vezes até roubam aos seus próprios membros da família.

Há também aqueles que se atrevem a roubar ou roubar sem sequer terem o cuidado de escapar à atenção das agências de aplicação da lei. Ou seja, uma pessoa rouba um saco ou uma bolsa na frente de todos e é imediatamente detida. Ou abre a porta do apartamento de alguém e esvazia o frigorífico, sem sequer tentar sair antes da chegada dos proprietários.

Também tem havido numerosos casos de pessoas que se matam umas às outras e comem carne humana em tempos de fome.

Uma pessoa muito esfomeada é capaz de comer os restos do caixote do lixo, algo que põe a vida em risco ou que não é comestível. Por outras palavras, a civilidade dá lugar a uma luta pela sobrevivência.

E o veneno não importa

Investigadores do Solk Institute na Califórnia, EUA, decidiram recentemente testar se os organismos vivos podem ultrapassar as barreiras tóxicas para obter alimentos.

Levaram dois vermes minúsculos chamados Caenorhabditis elegans como sujeitos de teste. Os cientistas colocaram uma barreira entre eles e os alimentos feitos de sulfato de cobre, que é conhecido como um agente anti-vermelho.

Quando os vermes foram privados de comida durante duas a três horas, era mais provável que atravessassem a barreira tóxica para chegar aos alimentos, enquanto que quando estavam cheios não o faziam. Os peritos decidiram então estudar o mecanismo molecular responsável por este comportamento.

E os humanos também o fizeram?

Descobriram que quando têm fome, as proteínas transcripcionais MML-1 e HLH-30 deslocam-se para o citoplasma das células intestinais, libertando o peptídeo tipo insulina INS-31, que envia o sinal de fome aos neurónios cerebrais. O cérebro dá então o comando para ir em busca de alimentos, mesmo que este comportamento seja arriscado ou irracional.

Na experiência seguinte, os investigadores removeram as proteínas dos vermes. Depois, apesar da fome, os vermes deixaram de tentar atravessar a barreira tóxica.

Os cientistas sugeriram que um mecanismo semelhante funciona no ser humano - damos prioridade às necessidades básicas em detrimento do conforto psicológico.

"Os animais, seja um verme humilde ou um humano complexo, todos fazem escolhas para se alimentarem para sobreviver", comentou um dos líderes do estudo, Srikanth Chalasani, sobre a experiência. - O movimento subcelular das moléculas pode estar a impulsionar estas decisões e pode ser fundamental para todas as espécies animais".

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter

Author`s name: Pravda.Ru Jornal