A importância da Rússia no mundo do petróleo

Quando o cartel poderoso de petróleo, a Organização de Países Exportadores de Petróleo, se reúne em Viena, não vai haver tantos sorrisos como antigamente. O cartel tem dois problemas graves: a exportação do petróleo iraquiano e divisões internas.

Os analistas da OPEP ainda não sabem qual será o efeito do petróleo iraquiano. Este ano o preço do barril tem sido sempre mais alto do que 25 USD e em Nova Iorque na semana passada, atingiu 30.17 USD. No entanto, um aumento de oferta causado pelo Iraque não quer dizer necessariamente que o preço será afectado.

Primeiro, os analistas prevêem que o Iraque não será capaz de manter entregas de 600 a 650 mil barris por dia no início de agosto, como afirmam os norte-americanos e mesmo que isso sucedesse, o petróleo oriundo do Iraque não chegaria ao mercado da EUA antes de dia 15 de Setembro. O excesso seria absorvida pela procura para combustível de inverno.

Outro factor é a guerra de guerrilha no Iraque. Quando George Bush afirmou que a acção militar no Iraque tinha terminado, dezenas de quilómetros de oleodutos tinham sido bombardeados, danificados ou roubados. Principalmente o norte do país sofreu mais os efeitos de sabotagem e pilhagem. A Iraqi Northern Oil Company tem de armazenar tudo em reservatórios, porque os oleodutos não funcionam.

Dentro do cartel, a mudança da posição da Arábia Saudita poderá ter consequências. O maior produtor, e sem dúvida o líder da OPEP, este país viu a sua influência seriamente minada pela acção militar norte-americana no Iraque. Muitos dos membros do cartel mudaram a sua posição perante os EUA, duma neutralidade objectiva para uma hostilidade aberta, alguns considerando os EUA como país inimigo.

Os Estados Unidos da América também mudaram a sua posição perante a Arábia Saudita. Actividades terroristas foram atribuídas a elementos residindo aí e o radicalismo islâmico está a crescer no país devido ao descontentamento com a política económica. Os bilhões estão gastos no nível superior e o povo fica com o que eles chamam um pingo no fundo do balde.

Os EUA estão a perder Riade como instrumento dentro da OPEP e por isso quanto mais cedo o petróleo iraquiano fluir, melhor. Também de interesse é a Federação Russa, um novo jogador no palco de energia mundial. A Rússia fica no meio da OPEP e dos EUA, ambos querem aumentar a sua influência junto aos produtores nacionais. Se a Arábia Saudita exporta 7 milhões de barris/dia, a Rússia exporta 5.03 milhões, dando-a segundo lugar na lista dos produtores, deixando a Noruega, Venezuela e o Irão para trás.

Por enquanto, Moscovo prefere ficar neutro enquanto melhorar a sua rede de oleodutos, que neste momento não está melhor adaptado para fluxos no mercado para exportação.

PRAVDA.Ru Versão inglesa Traduzido por João Casabranca

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter

Author`s name: Pravda.Ru Jornal