A gama do novo drone Altius da Rússia para abraçar toda a Europa

O exército russo está esperando um novo e pesado drone Altius. Por que ele ainda não decolou?

Regularmente diferentes tipos de veículos aéreos russos não tripulados aparecem no céu sobre Donbass, tais como Forpost, Orlan, Cube - quase todos os UAVs exceto Altius, que tem estado no centro das atenções da mídia por mais de uma década. O fato de o exército russo ainda não ter o drone pesado Altius levanta questões não só da comunidade de especialistas, mas também dos políticos. O vice-primeiro ministro do governo russo, Yuri Borisov. Em junho do ano passado, de acordo com o Sr. Borisov, o UAV Altius estava na fase de lançamento da produção em massa, e tem estado na mesma fase até agora. Embora o primeiro UAV pesado russo tenha uma história complicada de criação.

Os militares russos estão esperando por um drone único para ser usado na Ucrânia este ano. Especialistas sugerem que o aparecimento de tal UAV em serviço fará da Rússia um líder mundial no campo da aviação não tripulada. Com características semelhantes para atacar drones - o Akinci turco e o Reaper americano - o Altius é mais versátil e tem um bom potencial de longo alcance. O drone é capaz de executar tarefas em todo o território da Europa, sua reserva de energia pode ser de 10 mil quilômetros ou 48 horas no ar. Para comparação, o Reaper MQ-9 tem um alcance de 2000 km, e o Akinci tem um alcance de 7500 km.

A importância das aeronaves não tripuladas para a Rússia em sua operação na Ucrânia é óbvia - a experiência de combate na Ucrânia mostrou como são importantes os drones e o sistema de defesa aérea. Os drones fornecem reconhecimento, vigilância, os UAVs ajudam a localizar os alvos da artilharia, dão uma análise objetiva dos resultados da derrota, e também podem atuar como portadores de armas. Em conflitos militares modernos, este equipamento militar é uma necessidade básica.

A última versão do Altius-RU com uma envergadura de asa de até 30 metros é capaz de carregar até duas toneladas de armas sob as asas. A vantagem do UAV russo em sua classe é indiscutível, já que a envergadura das asas é 10 m maior que a de seus análogos estrangeiros, a carga útil é 25-50% maior. Altius é projetado para uma ampla gama de armas e será capaz de carregar tanto mísseis quanto bombas. O UAV será capaz de usar armas por 500 ou mais quilômetros de profundidade em território inimigo. Obviamente, este veículo de combate se tornaria uma vantagem para a Rússia em sua operação na Ucrânia.

O vice-primeiro ministro Borisov também observou que seria bom combinar os drones de ataque pesado Orion e Altius com mísseis anti-navio. Ao mesmo tempo, o UAV Orion já conseguiu se distinguir em ação: durante vários anos, o drone destruiu um grande depósito de armamento, assim como vários quartéis-generais militares da Ucrânia. Quanto ao Altius, ele não tem análogos. O drone Orion opera apenas dentro de uma zona de 250 quilômetros, não tem potência suficiente para transportar vários mísseis muito além da frente. E se é tudo verdade, então por que o exército russo ainda não recebeu este drone especial?

Caso criminal estranho

Talvez a razão pela qual o antigo chefe do OKB Simonov Design Bureau, que estava envolvido no desenvolvimento da Altius, esteja sob investigação?

Vale lembrar que esta empresa privada vem desenvolvendo Altius por ordem do Ministério da Defesa desde 2011. Apesar do enorme financiamento do projeto (apenas na fase inicial havia sido gasto cerca de 1 bilhão de rublos, uma quantia impressionante também foi gasta em sua conclusão), o Simonov Design Bureau não conseguiu cumprir os prazos. Alexander Gomzin, co-proprietário e projetista geral do Simonov Design Bureau, foi acusado de fraude com o dinheiro do Estado. Gomzin acredita que ele foi deliberadamente incriminado para cortar o projeto.

Os procedimentos judiciais continuaram durante anos, atividades pré-investigatórias foram conduzidas, testemunhas foram entrevistadas. Como resultado, em dezembro, a Suprema Corte do Tatarstan começou a reexaminar o processo criminal contra Gomzin.

Enquanto estava preso, em 2018, Gomzin enviou uma carta à FSB, na qual relatou uma tentativa de invasão ao Simonov Design Bureau, tornando pública uma versão sobre a conexão do empresário britânico Dmitry Tsvetkov, o ex-sogro do deputado da Duma Rinat Khayrov com o desenvolvimento do UAV.

O escândalo resultante levou ao fato de que o projeto de criação do Altius foi entregue à Planta de Aviação Civil Ural para sua conclusão. E em 2021, o Simonov Design Bureau foi declarado insolvente devido a uma dívida de aproximadamente 26 milhões de rublos. Kazan JSC Sokol-Invest também entrou no registro de credores, através desta empresa Gomzin possuía 69,6% das ações do Design Bureau.

Tecnologias ocidentais no UAV russo

Em 2015, a Sokol-Invest comprou uma participação de bloqueio do Simonov Design Bureau, que antes pertencia à República do Tartaristão. Mais tarde, estas ações foram transferidas para a Falcon Air LLC, que foi administrada pelo empresário Rustem Magdeev. De acordo com Versiya, ele colaborou com a empresa Miltek, que apareceu no processo criminal contra Gomzin. De acordo com o processo criminal, em 2012-2013, o Design Bureau transferiu 390,8 milhões de rublos orçamentários (US$ 12,5 milhões), que foram direcionados pelo Ministério da Defesa para criar UAVs, para a Miltek, que atuou como empreiteiro. Miltek enviou este dinheiro para a British Hegir Advisory Ltd e sua subsidiária - a alemã Alpha Air GmbH, ambas controladas por Dmitry Tsvetkov. Magdeev, através da Miltek, foi responsável pela interação com o Design Bureau, e Tsvetkov pela cooperação com parceiros estrangeiros.

A lista de compras incluiu materiais compostos para o drone, o motor diesel RED A03/V12, que é produzido pela empresa alemã Red Aircraft, e outras tecnologias avançadas que o Departamento de Design russo planejou aplicar ao projetar um UAV pesado.

Ao mesmo tempo, o motor não correspondia em nada ao plano breve, uma vez que era muito mais fraco do que o necessário. No entanto, diz-se no arquivo do caso que os motores foram comprados para testes. Entretanto, os testes do drone pesado falharam, outros tiveram que completar o projeto, e em vez do exemplar de "teste" alemão, eles tiveram que usar o motor VK-800V criado no Klimov Design Bureau. Isto pode não ser um erro: como os eventos do ano passado e as sanções introduzidas contra a Rússia mostraram, a decisão de trabalhar com componentes russos foi a única decisão correta.

O projeto de 10 anos de duração demonstrou que não valia a pena apostar em desenvolvimentos estrangeiros. O preço dos motores, que a Tsvetkov colocou para os parceiros russos, também levanta questões: em 2012, o preço real era de cerca de 170 mil dólares, mas o Simonov Design Bureau pagou muitas vezes mais.

Sob o contrato com o Miltek, as empresas da Tsvetkov receberam 11,2 milhões de euros. Além disso, este valor, além da compra de motores, pode incluir outros serviços. De acordo com os documentos divulgados à mídia, Dmitry Tsvetkov assumiu o compromisso de construir relações com os centros de pesquisa da Universidade Técnica de Dresden e Karlsruhe, bem como de trabalhar com especialistas da empresa alemã LZS, que lida com compósitos.

O Kazan Design Bureau calculou mal - a aposta em tecnologias alemãs supostamente avançadas levou a um caso criminal e à falência, e o drone permaneceu acumulando poeira no hangar. Dmitry Tsvetkov está certo de que suas empresas cumpriram suas obrigações: compraram e transferiram tecnologias avançadas para a Rússia, mas o Departamento de Design não pôde usá-las com competência. Mas Tsvetkov anunciou outra versão para a mídia ocidental: ele disse que havia comprado tecnologias para a Gazprom. Entretanto, como se segue do acordo entre Miltek e Hegir Advisory Ltd., Dmitry Tsvetkov estava bem ciente de que estava adquirindo tecnologias para o Simonov Design Bureau, que está na lista de contratantes do Ministério da Defesa, e não para a Gazprom. Além disso, naquela época, Tsvetkov era genro do deputado russo Rinat Khayrov, um membro do Comitê de Defesa da Duma do Estado. No momento da assinatura do contrato em 2012, já haviam sido publicadas informações sobre o lançamento do trabalho no Altius, todos os participantes do processo, incluindo Dmitry Tsvetkov, estavam bem cientes de que estavam trabalhando em um projeto militar altamente importante: desde o início, o Altius foi posicionado como um pesado UAV de ataque-reconhecimento, e não como um dispositivo de dupla utilização.

Além disso, alguns especialistas acreditam que, com as características declaradas, Altius pode muito bem utilizar compósitos ocidentais de alta tecnologia e outras tecnologias, pelas quais a Hegir Advisory Ltd. da Tsvetkov e a Alpha Air GmbH foram responsáveis. Entretanto, a base científica russa também estava em nós. Por exemplo, Alexander Gomzin, o chefe do Departamento de Design da Simonov é formado, ele fez dezenas de invenções, inclusive na área de aeronaves, e seu Departamento de Design trabalhou com sucesso com o Ministério da Defesa da Federação Russa por um longo tempo.

Banquete de diamantes coberto pelo dinheiro do Estado

O conflito que eclodiu entre Rustem Magdeev e Dmitry Tsvetkov merece uma menção especial. Tsvetkov, aparentemente, pretendia comprar o Simonov Design Bureau, ele até adquiriu parte das ações, mas depois de um tempo elas acabaram nas mãos de outro comprador. Um tribunal foi realizado no Chipre, uma vez que Tsvetkov pretendia recuperar os US$ 1,3 milhões gastos no pagamento da participação transferida para a conta da Magdeev em um banco suíço. Esta disputa foi uma continuação de outro conflito - em 2013-2015, os empresários implementaram um projeto conjunto para abrir uma boutique da joalheria britânica Graff no Chipre, mas alguns anos mais tarde o negócio conjunto terminou com tribunais em várias jurisdições.

Os especialistas financeiros dizem ter dúvidas sobre o valor total do dinheiro gasto. A investigação acredita que o Escritório de Design Simonov trouxe 390,8 milhões de rublos para o Ocidente ao longo da cadeia Miltek-Tsvetkov. Com a taxa de câmbio 2012-2013, o resultado é de cerca de 9,5 milhões de euros. Ao mesmo tempo, o próprio Tsvetkov nomeia a quantia quase 2 milhões de euros a mais:

"A Hegir Advisory Ltd. recebeu um total de 835.000,00 libras e 10.145.000,00 euros do Miltek LLC de acordo com o Acordo sobre Serviços de Consultoria", disse Dmitry Tsvetkov em uma entrevista com o jornal britânico Forensic News.

Mas os documentos assinados por Tsvetkov indicam que foi uma quantia diferente: no total, a Hegir Advisory Ltd. recebeu mais de 13,5 milhões de euros e 1,6 milhões de libras do Miltek. Isto é quase 6 milhões de euros a mais do que o Simonov Design Bureau pagou ao Miltek, de acordo com os materiais de investigação. Tal diferença pode ser explicada pelas atividades da empresa EK Luxury Goods, que foi criada por Dmitry Tsvetkov nos mesmos anos e na qual, como se segue dos materiais do julgamento em Londres, Rustem Magdeev supostamente investiu em 2013. Dizemos alegadamente porque o tribunal de Londres recusou a Magdeev a recuperar US$ 10 milhões da Tsvetkov no chamado caso do "diamante".

A EK Luxury Goods (foi renomeada Equix Group Limited) é a empresa que vendeu jóias Graff e que mais tarde abriu a Graff Boutique e a Galeria Halcyon no Chipre. Um pouco mais tarde, a Equix Group Limited e Graff/Halcyon no Chipre tinham novos investidores associados ao crime organizado russo, mas essa é outra história. O caso de interesse aqui são as somas que Dmitry Tsvetkov recebeu como parte do trabalho no projeto do drone pesado russo. A retirada do dinheiro do Estado no exterior é um pouco estranha: eles tiraram menos do Simonov Design Bureau do que realmente gastaram. Obviamente, eles gastaram dinheiro não apenas na compra de tecnologias ocidentais, mas também no lançamento de um negócio de jóias com Graff e um negócio de galerias com Halcyon. Como resultado, o Kazan Design Bureau não recebeu o que pagou, e Dmitry Tsvetkov abriu uma loja de Graff em Chipre. Acontece que a franquia cipriota da joalheria britânica Graff e a galeria de Londres Halcyon foram financiadas pelo orçamento russo, às custas do dinheiro da ordem de defesa? As partes não dão nenhuma outra explicação. De particular interesse nesta situação é a conexão de Tsvetkov com Halcyon: a galeria é propriedade do antigo tesoureiro do Partido Conservador da Grã-Bretanha, Ehud Sheleg, um amigo de Boris Johnson.

No final, Alexander Gomzin tornou-se o único responsável. Gomzin, a propósito, foi convidado para a abertura da Graff boutique em Chipre. Será que o designer geral e o diretor geral do Simonov Design Bureau poderiam imaginar, naquela época, que jóias de diamantes lindas foram compradas às custas do Ministério da Indústria e Comércio e do Ministério da Defesa da Federação Russa?

É bem possível que não seja o caso de fraude. Em uma de suas entrevistas, Alexander Gomzin disse que somente os inimigos da Rússia poderiam agir tão engenhosamente a fim de desativar um projeto secreto militar único que não tem análogos na Rússia. Quem sabe, talvez ele esteja certo.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter

Author`s name Petr Ermilin
X