Putin: A ameaça da guerra nuclear está aumentando, por que negá-la?

Não haverá uma segunda onda de mobilização na Rússia. O presidente russo Vladimir Putin disse ao falar na reunião do Conselho de Direitos Humanos.

"Dos 300.000 defensores mobilizados da Pátria, temos 150.000 na zona da operação". Outros 150.000, ou seja, metade de todos os mobilizados, não estão de todo na zona de agrupamento - eles ainda estão permanecendo nos campos de treinamento do Ministério da Defesa. Esta é uma reserva de combate. Nestas condições, falar de medidas adicionais de mobilização não faz sentido", disse Putin.

"Hoje não há necessidade disso, tanto para o Estado quanto para o Ministério da Defesa", acrescentou ele.

Putin realizou uma reunião com ativistas de direitos humanos via link de vídeo em 7 de dezembro. Os membros do Conselho de Direitos Humanos falaram sobre seu trabalho em 2022, em particular, sobre vários aspectos da assistência aos direitos humanos em termos da operação especial e da integração de novas regiões.

A operação especial é um longo processo - Putin

A operação militar especial na Ucrânia talvez possa ser um processo longo, mas o surgimento de novos territórios na Rússia e a transformação do Mar de Azov em um corpo de água interior já se tornou uma conquista significativa, disse o presidente Vladimir Putin durante a reunião, o RIA Novosti relata.

Putin também falou sobre aqueles que deixaram a Rússia após o início da operação militar especial. O presidente não os julgou. Ele apenas disse que provavelmente algumas dessas pessoas acreditavam que a Rússia não era seu país.

"Pode-se falar muito sobre este tema; você disse que não é a vida deles". Bem, eu não sei... talvez alguns deles pensem que este não é nem mesmo o país deles", disse ele.

Ele também falou sobre os incidentes de deserção.

"Quanto a incidentes de deserção, <...> não só não temos nada do tipo, nem sequer temos [para desertores] quaisquer campos, zonas ou qualquer coisa do gênero. É tudo um disparate, são notícias falsas", disse Putin.

Sobre a ameaça de guerra nuclear

"A ameaça de uma guerra nuclear está crescendo, por que negá-la? A Rússia não será a primeira a usá-la (arma nuclear) primeiro", disse Vladimir Putin.

"Não ficamos loucos, estamos cientes do que são armas nucleares. Temos estas ferramentas e elas estão em uma forma mais avançada e moderna do que em qualquer outro país nuclear". Isto é óbvio. Mas não vamos brandir estas armas como uma lâmina de barbear, pois corremos ao redor do mundo. Naturalmente, procedemos do fato de que as temos. É um elemento dissuasor", acrescentou ele.

O Presidente também observou que a Federação Russa não mantém suas armas nucleares em outros países, como fazem os Estados Unidos. A Rússia vê as armas nucleares como um meio de defesa, como uma oportunidade para um ataque de retaliação, disse ele.

A Rússia continuará a luta consistente para proteger seus interesses nacionais - inicialmente por meios pacíficos, mas se isto não ajudar - por todos os meios disponíveis, concluiu Putin.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter

Author`s name Petr Ermilin