Se os preços do petróleo russo forem limitados pelo Ocidente, Moscou não atirará no próprio pé

A Rússia não vai "atirar no próprio pé" vendendo petróleo aos países que fixam o preço máximo do petróleo russo, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, segundo a RIA Novosti.

O presidente russo Putin já expressou a posição da Rússia sobre o assunto antes, embora haja "muitas nuances" nele, disse Peskov.

Em 25 de novembro, os diplomatas da UE adiaram as negociações para estabelecer restrições ao petróleo russo.

Em 2 de setembro, os países do G7 concordaram em limitar os preços do petróleo russo. As restrições de preços devem ser impostas para o petróleo e produtos petrolíferos a partir de 5 de dezembro de 2022 e 5 de fevereiro de 2023, respectivamente.

Ao mesmo tempo, os membros do G7 planejam desenvolver um mecanismo especial para permitir àqueles em necessidade especial o acesso às matérias primas russas.

O petróleo dos Urais perde 28% desde o outono

Enquanto isso, o custo do óleo grau Urals caiu para 52 dólares por barril em 22 de novembro - o mais baixo desde o final de 2020. Tal redução ocorreu contra o pano de fundo das expectativas das sanções européias.

O óleo de Ural já está mais de 30 dólares atrás do Brent. Está quase $20 abaixo do preço orçado russo de $70,1 por barril. Assim, o petróleo de grau Urals perdeu 28% no preço desde o início do outono.

Parece que o orçamento russo, que foi adotado com um déficit de três trilhões de rublos para 2023, enfrentará novos desafios se a situação não mudar para melhor.

Li Haidong, professor do Instituto de Relações Internacionais da Universidade Chinesa de Relações Exteriores, acredita que o único país que se beneficia dos preços máximos do petróleo russo são os Estados Unidos. Em sua opinião, os países europeus se dão conta de que Washington está propondo a UE a introduzir restrições contra Moscou somente para seu próprio benefício e lucro.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter

Author`s name Petr Ermilin