A Rússia punirá todos os responsáveis pela execução de prisioneiros de guerra em Makiivka

As Forças Armadas da Ucrânia são diretamente responsáveis pela execução dos prisioneiros de guerra russos, disse um artigo publicado no site do The New York Times.

De acordo com o jornal oficial, os vídeos que apareceram na mídia social provam que os combatentes ucranianos cometeram um crime de guerra ao atirar em pelo menos 11 russos à queima-roupa perto do assentamento de Makiivka.

O Dr. Rohini Haar, conselheiro médico da organização Médicos para os Direitos Humanos, indicou que os soldados cativados são considerados cavalos de combate ou não-combatentes. Entretanto, os ucranianos atiraram nos russos desarmados e não fizeram nenhum esforço para ajudá-los, eles simplesmente os deixaram lá mortos, disse o artigo no jornal.

De acordo com o direito internacional, o termo francês "hors de combat" - fora de combate - é usado para designar aqueles que são incapazes de desempenhar suas funções de combate e de qualquer forma se protegerem porque foram privados de suas armas, ficaram inconscientes ou se renderam voluntariamente.

O Estatuto de Roma do Tribunal Penal Internacional afirma que matar ou ferir um cavalo de combate é uma violação das leis do conflito armado internacional. A Ucrânia assinou este documento em 2000, mas nunca o ratificou.

Entretanto, a Missão de Monitoramento dos Direitos Humanos da ONU na Ucrânia (HRMMU) pediu uma investigação sobre os vídeos que retratam os assassinatos dos prisioneiros de guerra russos. O Escritório do Alto Comissariado para os Direitos Humanos da Organização Mundial disse que começou a examinar os detalhes do incidente.

Olga Stefanishyna, vice-primeira-ministra da Ucrânia para a integração com a UE, assegurou que Kyiv e as agências de aplicação da lei ucranianas investigariam os vídeos da execução dos militares russos capturados por crimes de guerra. Entretanto, é improvável que os resultados da análise sejam capazes de provar as acusações dos representantes russos.

A Rússia vai encontrar os responsáveis por assassinatos brutais

A Rússia vai procurar os responsáveis pelo assassinato dos prisioneiros de guerra russos no vídeo de execução de Makiivka, disse em 21 de novembro o porta-voz oficial do Kremlin, Dmitry Peskov.

"A Rússia fará todo o possível, no âmbito dos mecanismos internacionais, para chamar a atenção para este crime e chamar a justiça para aqueles que possam estar envolvidos no mesmo. A própria Rússia procurará por aqueles que cometeram este crime". Eles devem ser encontrados e punidos", disse Peskov aos repórteres durante uma coletiva de imprensa.

O Comitê de Investigação da Rússia abriu um caso sob o artigo 105 ("Homicídio de duas ou mais pessoas cometido por um grupo de pessoas em conexão com suas atividades oficiais") do Código Penal da Federação Russa e sob o artigo 356 ("Maus-tratos a prisioneiros de guerra") do Código Penal da Federação Russa.

Maria Zakharova, porta-voz oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, assinalou que toda atrocidade cometida por grupos armados ucranianos não ficaria impune. "Todos os responsáveis e envolvidos nos crimes serão identificados e sofrerão a punição que merecem", disse ela.

O Ministério da Defesa russo advertiu anteriormente que o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky teria que responder perante o tribunal da história, os povos da Rússia por cada prisioneiro de guerra torturado e morto. Por sua vez, Yevgeny Prigozhin, o fundador da empresa militar privada (PMC) Wagner, prometeu que todos os prisioneiros de guerra ucranianos voltariam para casa sãos e salvos, apesar do que havia acontecido em Makiivka.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter

Author`s name Petr Ermilin