Rússia responde a rumores sobre o Viagra para soldados russos na Ucrânia

O Ministério das Relações Exteriores russo respondeu às recentes observações de Pramila Patten, Representante Especial do Secretário Geral da ONU, que alegou que os militares russos supostamente usavam Viagra ao cometerem crimes sexuais na Ucrânia.

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Maria Zakharova, disse que as observações de Patten "vão além da razão e não podem ser levadas a sério".

"Suas palavras vão além da razão". Além disso, a funcionária está obviamente agindo fora de seu mandato e poderes. Ao mesmo tempo, ela não esconde o fato de que em seus julgamentos ela se baseia em dados fragmentados de uma "comissão internacional independente de inquérito sobre a Ucrânia" que a Rússia não reconhece. Como ela mesma reconheceu, foi difícil verificar essa informação. Em outras palavras, temos mais um "caso altamente provável" clássico, somente desta vez no nível da fantasia pervertida", disse Maria Zakharova.

Zakharova chamou os relatos do uso da substância de enganosos e provocadores. Ela fez uma comparação com declarações da mídia durante a crise líbia em 2011. A Reuters certa vez escreveu que as tropas leais ao [líder líbio] Muammar Gaddafi praticam o estupro, para o qual eles estocam o Viagra. O Ocidente usa "os mesmos padrões em sua guerra híbrida", escreveu Zakharova.

Anteriormente, Pramila Patten disse em uma entrevista com a AFP que os militares russos foram supostamente abastecidos com comprimidos de Viagra para que eles se obrigassem a violar mulheres ucranianas. As observações de Patten ficaram virais na mídia estrangeira.

Anteriormente, Lyudmila Denisova, ex-Ombudsman para os Direitos Humanos da Ucrânia, disse que compôs relatórios falsos sobre incidentes de numerosos crimes sexuais que soldados russos supostamente cometeram contra mulheres e crianças ucranianas. De acordo com Denisova, ela fez isso para o bem de seu país, disse o canal de TV 360.

"Talvez eu tenha ido longe demais, mas estava tentando alcançar o objetivo de convencer o mundo a fornecer armas e pressionar a Rússia", disse Lyudmila Denisova, ex-Ombudsman da Ucrânia.

Além disso, como disse Denisova, seus relatórios sobre as supostas atrocidades das Forças Armadas russas na Ucrânia ajudaram os políticos a conduzir diálogos efetivos nos parlamentos dos países europeus. Após essas acusações, a União Européia concordou em fornecer nova assistência militar para o exército ucraniano.

Zakharova, comentando as declarações de Denisova, chamou-a de provocadora sexualmente obcecada e exigiu que a mídia ocidental pedisse desculpas por publicar suas notícias falsas.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter

Author`s name Petr Ermilin