Ex-analista do Pentágono: A Rússia obtém uma posição segura para defender novos territórios

A entrada das Repúblicas Populares de Donetsk e Luhansk (DPR e LPR), das regiões de Zaporozhye e Kherson na Rússia dá ao país uma posição segura para a defesa desses territórios, disse a ex-analista do Pentágono Karen Kwiatkowski, segundo a RIA Novosti.

"A Rússia já tinha apoio logístico e popular nas quatro repúblicas onde os referendos foram realizados, e agora estabeleceu uma posição defensiva", disse Karen Kwiatkowski, uma ex-analista do Pentágono.

Segundo Kwiatkowski, uma mudança tão significativa ocorreu meses antes, e os referendos agora a restabeleceram. Os resultados dos referendos vieram como uma expressão democrática da vontade dos residentes das regiões, acrescentou ela. Ao mesmo tempo, o Ocidente apoia o governo ucraniano que expulsou a maioria dos partidos políticos que criticaram as ações de Kwiatkowski.

Karen Kwiatkowski é uma ativista e comentarista americana. Ela é uma tenente-coronel aposentada da Força Aérea dos EUA, cujas atribuições incluíam deveres como oficial de mesa do Pentágono e uma variedade de funções para a Agência de Segurança Nacional.

Em 30 de setembro, a Rússia vetou um projeto de resolução do Conselho de Segurança da ONU para não reconhecer os referendos nas regiões DPR, LPR, Zaporozhye e Kherson.

Em um documento preparado pelos Estados Unidos e pela Albânia, os referendos eram ilegais. A resolução também afirmava que as ações da Rússia não poderiam formar a base para mudar o status das quatro regiões.

Dez países votaram a favor da resolução. Quatro estados, incluindo Índia e China, abstiveram-se de condenar a entrada dos novos súditos na Rússia.

O embaixador da China na ONU Zhang Jun disse que o Conselho de Segurança da ONU deveria ser objetivo e imparcial, enquanto suas ações deveriam visar a desarmar a situação e resolver a crise, em vez de não o contrário.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter

Author`s name Petr Ermilin