A situação na Ucrânia se aquece com a retirada das tropas russas e Macron chama Putin

A situação na Ucrânia se aquece e se apaga

Em 11 de setembro, cinco regiões do leste da Ucrânia ficaram sem eletricidade. Apagões parciais ou totais ocorreram nas regiões de Kharkiv, Poltava, Dnipropetrovsk, Sumy e Odessa. As autoridades das regiões confirmaram apagões e quedas de energia elétrica, relatórios da TASS.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos acusou a Rússia de ter descargas intencionais de linhas elétricas. O Ministério da Defesa russo, por sua vez, relatou que as Forças Aeroespaciais, tropas de foguete e artilharia russa executaram tarefas para destruir unidades e reservas das Forças Armadas da Ucrânia (AFU) na região de Kharkiv.

Em 12 de setembro, Alexander Malkevich, membro da Câmara Cívica, disse que as tropas russas lançaram contra-ataques de mísseis em usinas térmicas ucranianas nas regiões central e oriental do país. Segundo ele, os bombardeios vieram em resposta às ações do lado ucraniano, que, segundo o Ministério da Defesa russo, atacou a infra-estrutura energética no território da República Popular de Donetsk e nas áreas controladas pela Rússia.

Em 11 de setembro, a última unidade de energia operacional da usina nuclear de Zaporizhzhia foi desativada. O procedimento foi realizado em modo seguro. A usina não funcionará até que seu bombardeio pare. O chefe da administração da Enerhodar, Alexander Volga, disse que a eletricidade estava sendo fornecida à Enerhodar ao contrário a partir da cidade de Melitopol. Os funcionários da AIEA ainda permanecem na estação.

A central nuclear de Zaporizhzhia, a maior usina nuclear da Europa, forneceu eletricidade a quase todo o sudeste da Ucrânia, incluindo Dnepropetrovsk e Krivoy Rog, onde estão localizadas as maiores empresas do país.

As hostilidades se intensificaram na região de Kharkiv no final da semana passada. As tropas russas recuaram para preservar o pessoal para se reagrupar na região de Izyum, informou o Ministério da Defesa russo. Sistemas de defesa aérea Pantsir e sistemas de lança-chamas pesadas TOS-1A Solntsepek estão sendo enviados para a zona de combate, informou o ministério.

O exército ucraniano tentou lançar uma ofensiva contra Liman na República Popular de Donetsk, mas foi detido, disse Denis Pushilin, o chefe do DPR. De acordo com o correspondente de guerra Yevgeny Poddubny, as tropas russas montaram uma armadilha para as Forças Armadas da Ucrânia na travessia do rio Seversky Donets. Nada ameaça a região de Kherson: foram construídas linhas de defesa ao longo do perímetro da região, disse Kirill Stremousov, um representante da administração regional.

Em 12 de setembro, Roman Starovoit, governador da região de Kursk na Rússia, relatou que a aldeia fronteiriça de Tetkino foi descascada. Ninguém foi ferido, mas oito casas foram danificadas. Além disso, três soldados russos foram feridos durante um ataque com drones a posições militares perto da vila fronteiriça de Zernovo, na região de Bryansk, na Rússia.

Em 11 de setembro, o presidente francês Emmanuel Macron chamou o presidente russo Vladimir Putin. Macron instou Putin a parar a operação especial e a sentar-se à mesa de negociações com as autoridades ucranianas. O site do Kremlin diz que o presidente russo pediu a seu homólogo que abordasse a situação com o bombardeio da usina nuclear de Zaporizhzhia, e também discutiu questões de segurança alimentar.

Anteriormente, o presidente da Ucrânia Volodymyr Zelensky disse que as negociações com a Rússia eram impossíveis, pois ele "não quer falar com pessoas que apresentam ultimatos". As últimas conversações entre as delegações russa e ucraniana aconteceram em Istambul no dia 29 de março.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter

Author`s name Petr Ermilin
X