Correspondente de guerra: Kyiv muda para as táticas de fita adesiva e papel higiênico

As táticas das Forças Armadas da Ucrânia fazem mais lembrar as ações dos terroristas na Síria. E uma nova confirmação disto surgiu - os militares ucranianos estão parafusando minas a lança-granadas anti-tanque. No entanto, não há necessidade de falar sobre a eficácia de combate de tais "armas". Esta opinião foi expressa por um observador militar, o coronel de reserva Mikhail Khodarenok.

O especialista explicou que o metal nas minas é fino, e os explosivos não são suficientes para penetrar na armadura do tanque. A única opção para usar isto é atirar na infantaria. Mas também é preciso entrar nela, observou o jornalista em seu canal de Telegramas.

De acordo com ele, a resposta à pergunta se o terceiro exército da Europa pode agir desta forma é óbvia - não.

"Tendo perdido quase todo o equipamento em menos de seis meses, as Forças Armadas da Ucrânia mudaram para a tática de usar fita adesiva azul, cigarros e papel higiênico, porque há cada vez menos armas ocidentais", declarou o especialista.

Ele acrescentou que não sabia exatamente no que estavam apostando, e quem em Washington tomou decisões sobre o volume da assistência militar. No entanto, as Forças Armadas da Ucrânia, em sua opinião, parecem cada vez mais um motivo de riso e uma clara marca de corrupção, e não como um exército capaz de lutar.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter

Author`s name: Petr Ermilin