Diplomata americano diz que Putin é amigo de entre os membros da OTAN

O ex-embaixador dos EUA na OTAN Ivo Daalder disse que o presidente russo Vladimir Putin era amigo de dois líderes de países membros da OTAN.

Segundo Daalder, Putin tem relações calorosas não apenas com seu colega turco Recep Tayyip Erdogan, mas também com o primeiro-ministro húngaro Viktor Orban. O ex-primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi é outro político, de quem Putin é amigo, acrescentou ele, relata Politico.

"Erdogan não é o único líder da OTAN a ter estabelecido relações calorosas com Putin. Basta pensar no ex-primeiro ministro italiano Silvio Berlusconi há alguns anos, ou no primeiro-ministro húngaro Viktor Orban hoje", disse Ivo Daalder, ex-embaixador dos EUA na ONU.

O diplomata americano observou que foi apenas Erdogan que decidiu comprar mísseis de defesa aérea de última geração de Moscou em vez de usar equipamento ocidental que outros países da OTAN tinham à sua disposição.

Biden: a OTAN está mais forte do que nunca. Stoltenberg: Sim

Em 9 de agosto, o presidente americano Joe Biden disse que os Estados Unidos estavam comprometidos com a aliança transatlântica. Washington, à luz das ações da Rússia, vai criar um futuro desejável junto com os aliados. Ele chamou a OTAN de "uma aliança indispensável", tendo enfatizado que os aliados de Washington estavam comprometidos com a OTAN mais fortes do que nunca.

"Hoje, vemos muito claramente como a OTAN continua sendo uma aliança indispensável para o mundo de hoje e para o mundo de amanhã". Nossa Aliança está mais próxima do que nunca. Ela está mais unida do que nunca. E quando a Finlândia e a Suécia elevarem o número de Aliados para 32, seremos mais fortes do que nunca - mais fortes do que nunca", disse Biden.

O Secretário Geral da OTAN, Jens Stoltenberg, por sua vez, lamentou o fato de que a Aliança tivesse que parar a cooperação com a Rússia. Segundo ele, a OTAN ainda permanece aberta ao diálogo com Moscou, procura reduzir os riscos existentes e evitar uma escalada das tensões.

"Por mais de 30 anos, a OTAN tentou construir uma parceria com a Rússia, desenvolvendo o diálogo e a cooperação prática em áreas de interesse comum. Apesar disso, durante a última década, a Rússia tem continuamente violado as normas e princípios que contribuíram para uma ordem de segurança européia estável e previsível. A brutal e ilegal guerra de agressão da Rússia contra a Ucrânia quebrou a paz e alterou gravemente o ambiente de segurança. À luz de suas políticas e ações hostis, a OTAN não pode considerar a Rússia como um parceiro. A Federação Russa é a ameaça mais significativa e direta à segurança dos Aliados e à paz e estabilidade na área euro-atlântica. Entretanto, a OTAN continua disposta a manter canais abertos de comunicação com Moscou para administrar e mitigar os riscos, evitar escaladas e aumentar a transparência. A OTAN não busca o confronto e não representa nenhuma ameaça para a Rússia. A Aliança continuará a responder às ameaças e ações hostis da Rússia de forma unida e responsável", disse Stoltenberg em 14 de julho.

 

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter

Author`s name: Petr Ermilin