Não apenas o DPE e o LPR': A Rússia muda a geografia da operação na Ucrânia

Se a Ucrânia receber armas de longo alcance de países ocidentais, então as tarefas geográficas da operação especial das tropas russas mudarão, disse o Ministro das Relações Exteriores russo Sergey Lavrov em uma entrevista com Margarita Simonyan, editora-chefe da RT e do grupo de mídia Rossiya Segodnya.

"O Presidente disse muito claramente, como você o citou - desnazificação, desmilitarização no sentido de que não há ameaças à nossa segurança, ameaças militares do território da Ucrânia, esta tarefa permanece", enfatizou o ministro.

Ao mesmo tempo, ele lembrou que durante a reunião dos negociadores em Istambul, no final de março, a situação sobre esta questão foi significativamente diferente.

"Agora a geografia é diferente". Está longe de ser apenas o DPR e o LPR, é também a região de Kherson, a região de Zaporozhye e vários outros territórios, e este processo continua, e continua consistentemente e persistentemente", acrescentou o chefe da diplomacia russa.

Ele apontou que como o Ocidente, em fúria impotente ou no desejo de tornar a situação tão ruim quanto possível, bombeia cada vez mais armas de longo alcance para a Ucrânia, por exemplo, HIMARS, os objetivos geográficos da operação especial irão se afastar ainda mais da linha atual.

"Não podemos permitir que a parte da Ucrânia que Zelensky controlará ou quem quer que o substitua tenha armas que representem uma ameaça direta ao nosso território e ao território das repúblicas que declararam sua independência, aqueles que querem seu futuro decidam por si mesmos", concluiu Lavrov.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter

Author`s name Petr Ermilin