O último movimento anti-russo da OTAN mata o último vislumbre de esperança

A decisão da OTAN de expulsar oito oficiais da missão russa não estava relacionada a nenhum evento específico, disse o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, à Reuters.

“Esta decisão não está ligada a nenhum evento em particular, mas vimos há algum tempo um aumento na atividade maligna na Rússia e, portanto, precisamos estar vigilantes”, disse Stoltenberg a repórteres.

“A relação entre a OTAN e a Rússia está no seu ponto mais baixo desde o fim da Guerra Fria. Isso é por causa do comportamento russo. Vimos suas ações agressivas, não apenas contra a Ucrânia, mas também a significativa escalada militar e violações de importantes acordos de controle de armas ”, acrescentou.

Em 6 de outubro, a OTAN decidiu expulsar oito membros da missão russa da aliança e abolir os cargos de duas outras autoridades. Representantes da OTAN explicaram que a decisão foi tomada em resposta às atividades hostis da Rússia nos países membros do bloco. Como resultado, a missão permanente da Rússia na OTAN será reduzida pela metade, de 20 para 10 pessoas.

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia, comentando a expulsão, lembrou que a Otan já havia declarado a importância de desacelerar as relações com a Rússia e pediu a retomada do diálogo com Moscou. Depois do último movimento anti-russo da OTAN, ninguém acredita na sinceridade dessas palavras, disse o vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Alexander Grushko. Segundo ele, a OTAN decidiu expulsar os diplomatas russos porque a aliança não poderia prescindir do bicho-papão da ameaça russa após o fracasso épico no Afeganistão.

O Kremlin também observou que havia uma contradição óbvia entre as declarações e ações da OTAN. Moscou não tem mais ilusões sobre a possibilidade de normalizar as relações e retomar o diálogo com a Otan, disse o porta-voz oficial de Putin, Dmitry Peskov.

“Eles minam completamente essas perspectivas”, disse Peskov.