Moçambique: 350.000 crianças afectadas pela instabilidade

Uma falta de financiamento está a dificultar os esforços das agências humanitárias para prestar assistência e protecção para salvar vidas a 1,1 milhões de pessoas nas províncias do norte de Moçambique de Cabo Delgado, Niassa e Nampula, de acordo com o Gabinete das Nações Unidas para a Coordenação dos Assuntos Humanitários (OCHA).

Em um relatório publicado no dia 15 de Junho, OCHA aponta que as agências humanitárias receberam apenas 22,3 milhões de dólares em financiamento, sendo apenas nove por cento dos 254 milhões de dólares necessários para responder ao conflito violento que causou um deslocamento massivo de pessoas das suas casas. Calcula-se que o número de pessoas deslocadas devido a ataques terroristas em Cabo Delgado aumentou de 172.000 em abril de 2020 para mais de 732.000 no final de abril de 2021.

Destruição de meios de subsistência

A agência das Nações Unidas lamenta que pelo menos trinta por cento dos deslocados tiveram que fugir várias vezes e adverte que o deslocamento repetido e a destruição de meios de subsistência estão "esgotando os recursos escassos das famílias, levando a uma grave crise de fome" ainda no meio de uma emergência de saúde devido ao Covid e a outras doenças, como cólera e malária. Acrescenta que "a maioria das pessoas ficou sem mais do que as roupas do corpo e chegaram ao destino exaustas, traumatizadas, feridas e a necessitar de cuidados médicos urgentes e apoio psicossocial".

O OCHA adverte que, como resultado do conflito, "mais de 900.000 pessoas sofrem de insegurança alimentar grave e as pessoas deslocadas e as comunidades de acolhimento também precisam urgentemente de abrigo, proteção e outros serviços. A fome não está apenas aumentando nas zonas rurais, mas também em centros urbanos, incluindo a capital de Cabo Delgado, Pemba, que acolhe o maior número de pessoas deslocadas na província (157.000) e onde 40 por cento das pessoas enfrentam insegurança alimentar aguda".

Ele acrescenta que "o deslocamento em massa também está esgotando os recursos escassos das comunidades anfitriãs, já que mais de 80 por cento das pessoas que fugiram do conflito estão hospedadas com familiares e amigos".

OCHA observa as descobertas da Save the Children de que pelo menos 51 crianças, a maioria meninas, foram sequestradas pelos terroristas nos últimos 12 meses. Acrescenta que o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) constatou que mulheres e meninas foram "raptadas, forçadas ao casamento e submetidas à violência sexual", enquanto as crianças também estão sendo recrutadas à força para grupos armados.

O OCHA conclui que "enquanto mais financiamento está em discussão, mais é necessário imediatamente para garantir que as organizações humanitárias possam salvar vidas e aliviar o sofrimento. Sem financiamento adicional, os parceiros humanitários serão forçados a interromper programas essenciais, e centenas de milhares de pessoas não receberão a assistência de que precisam para sobreviver".

Partes de Cabo Delgado estão sob ataque de terroristas islâmicos desde outubro de 2017, forçando as pessoas a deixar suas casas e destruindo meios de subsistência. Estima-se que 350.000 crianças foram deslocadas, deixando-as com fome e sem educação.

 

Pravda.Ru

Agências

Foto: By BlookyNapsta - Own work, CC BY-SA 4.0, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=93964102