Israelenses exigem que o presidente Moshe Katsav renuncie

A enquete realizada pelo Instituto Dahaf para o jornal israelense Yedioth Ahronoth, cujos resultados totais serão divulgados na sexta-feira, também analisa as tendências da população sobre os candidatos a suceder Katsav, caso seja obrigado a renunciar a suas funções.

Na pesquisa, na qual 516 pessoas foram entrevistadas, com uma margem de erro de 4,4%, o vice-primeiro-ministro e octogenário político israelense Shimon Peres aparece como favorito para suceder Katsav, com 45%.

Fontes próximas a Peres disseram na quarta-feira que o vice-primeiro-ministro tem intenção de se candidatar independentemente de qual seja o processo para a escolha de próximo presidente, que poderia ser uma votação aberta no Parlamento ou por voto secreto.

O mandato de Katsav termina em maio.

O presidente é acusado por colaboradoras e mulheres que trabalharam para ele de vários crimes, entre eles estupro, assédio sexual e abuso de poder.

Em pronunciamento realizado ainda nesta quarta-feira, o presidente israelense negou as alegações de que teria abusado sexualmente de quatro funcionárias, e afirmou que vai renunciar caso seja formalmente indiciado.

Segundo a emissora de TV local, Canal Dois, Katsav informou ao Parlamento na quarta-feira que vai se afastar temporariamente de seu cargo.

 Na terça-feira o promotor-geral de Israel, Menahem Mazuz, decidiu indiciar o presidente Moshé Katsav por estupro. Depois de uma investigação sobre as denúncias contra Katsav, a polícia teria recomendado em meados de Outubro indiciar o presidente israelense por estupro de sua ex-secretária, assim como de uma funcionária quando ele actuava como ministro do Turismo.

 
Katsav pode ser condenado entre três e 16 anos de prisão

G-1