Cristal Vermelho junta-se a Cruz Vermelha e Crescente Vermelho

Assim foi anunciado hoje pelo Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) e a Federação Internacional de Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho, que lembraram que o novo emblema se somará à cruz vermelha e ao crescente vermelho, que eram os únicos vigentes até agora.

O Protocolo que introduz o cristal vermelho nas Convenções de Genebra foi aprovado em uma conferência diplomática realizada em dezembro de 2005, e conta com a assinatura de 84 Estados até o momento, dos quais nove o ratificaram.

Trata-se da Noruega, que foi o primeiro a fazê-lo, Bulgária, Honduras, Hungria, Islândia, Liechtenstein, Holanda, Filipinas e Suíça, que atua como depositária do tratado.

Uma etapa prévia para a entrada em vigor do novo emblema e que se cumpriu em junho do ano passado foi a modificação do estatuto do Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho para permitir a admissão da sociedade de socorro israelense Magen David Adom (MDA) e do Crescente Vermelho Palestino.

Na ocasião ficou esclarecido que nenhum Estado nem sociedade nacional está obrigado a mudar seu emblema atual e que o uso do cristal vermelho dará proteção às vítimas e trabalhadores humanitários naquelas situações de conflito armado em que não se possa usar a cruz vermelha nem o crescente vermelho.

EFE