Author`s name Pravda.ru

De olho no hidronegócio

Ao que parece, diante das crescentes referências, está se consolidando no mercado mundial uma atividade cada vez mais poderosa –o hidronegócio.

Na verdade, devemos compreender o hidronegócio a partir da compreensão do que seja água virtual, que é o conceito utilizado para calcular a quantidade de água necessária para produzir um determinado bem, produto ou serviço.

À primeira vista associa-se o hidronegócio ao tratamento e distribuição de água, às engarrafadoras e outras atividades deste tipo, mas ele é muito mais abrangente e complexo do que isto.

A água virtual está presente em tudo que usamos e consumimos, porque é parte de todos os processos de produção, direta ou indiretamente.

Na prática, a água virtual é o produto do hidronegócio e o agronegócio é o seu principal consumidor. O aparente sucesso do agronegócio nacional, também significa que somos, crescentemente, grandes exportadores de água. E isto interessa a diversos países que consideram “sustentável” subsidiar seus agricultores, poupando escassos recursos hídricos ao importar carne e grãos de países do terceiro mundo.

Isto pode ser demonstrado em interessante artigo da Eng. Vânia Rodrigues, disponível em http://www.aesabesp.com.br/artigos_agua_virtual.htm, do qual transcrevo um trecho:

***”Atualmente, em discussões técnicas, esse parâmetro está sendo avaliado como um instrumento estratégico na política da água. O comércio agrícola promove uma gigantesca transferência de água de regiões onde ela se encontra de forma abundante e de baixo custo para outras regiões onde é escassa, cara e seu uso compete com outras prioridades. É previsível que este comércio crescerá em futuro próximo, paralelamente com o esgotamento e contaminação dos recursos hídricos.

Por exemplo, a China importa cerca de 18 milhões de toneladas de soja por ano, a um custo de 3,5 milhões de dólares; por esse caminho ingressam no país 45 milhões de metros cúbicos de água. Em 2003, o Brasil exportou 1,3 milhão de toneladas de carne bovina, com uma receita cambial de 1,5 milhão de dólares. Por esse caminho, exportou também 19,5 km³ de água virtual ( 19,5 bilhões de m³ ).

Dados recentes da UNESCO (3) dão conta que o comércio global movimenta um volume anual de água virtual da ordem de 1.000 a 1.340 km³, sendo:

•67 % relacionados com o comércio de produtos agrícolas; •23 % relacionados com o comércio produtos animais; •10 % relacionados com produtos industriais.

No 3º Fórum Mundial da Água, realizado em 2003 nas cidades de Kyoto, Shiga e Osaka, o Brasil foi citado como o 10º exportador de água virtual (atrás de Estados Unidos, Canadá, Tailândia, Argentina, Índia, Austrália, Vietnã, França e Guatemala). Os maiores importadores são: Siri Lanka, Japão, Holanda, Coréia, China, Indonésia, Espanha, Egito, Alemanha e Itália. É interessante notar na figura os fluxos de água virtual no planeta.

Quantificando a “água virtual” de alimentos:

Para produtos primários como cereais e frutas, o cálculo da água virtual é relativamente simples: é uma relação entre a quantidade total de água usada no cultivo e a produção obtida (m³/ton). A estimativa da água requerida no cultivo dos vários tipos de plantas é feita em função do tipo de solo, clima, técnica de plantio e irrigação, etc. Existem softwares que podem ser usados para este fim.

Uma vez obtida a água virtual do produto primário, um inventário hídrico deve ser feito acompanhando os vários passos para obtenção do produto final.

O volume exportado de água pelo agronegócio é mais do que significativo, mas a água virtual também tem peso em outros setores. No Brasil, nossa geração de energia elétrica é essencialmente hidrelétrica, o que faz a água ser componente de tudo que demanda energia elétrica. Isto é muito claro na indústria eletrointensiva (alumínio, siderurgia, ferroligas, papel e celulose e petroquímica), principalmente na indústria de alumínio.

Dados do Ministério de Minas e Energia demonstram que 408 indústrias eletrointensivas consomem 28,8% de toda a energia elétrica produzida no País, o que a faz, ao mesmo tempo, massiva exportadora de energia elétrica e água.

Vejamos um exemplo prático – metade da energia elétrica produzida em Tucuruí é contratualmente destinada à industria de alumínio. Cerca de 41% do custo final do processamento do alumínio corresponde à energia elétrica e, no caso de Tucuruí, isto é significativo porque sua tarifa subsidiada é 30% menor do que seria no sul ou sudeste do país.

É por isto que o Japão produzia 1,1 milhão de toneladas de alumínio por ano e baixou a produção para apenas 41 mil toneladas/ano, passando a importar o restante.

Neste caso, a indústria eletrointensiva é “competitiva” porque, como todas as exportações de bens primários de baixo valor agregado, soma mão de obra barata, energia elétrica subsidiada e gigantescas quantidades de água virtual.

Enquanto isto, o hidronegócio discreta e silenciosamente trabalha pelo controle do acesso à água. O açude controlado pelo coronelismo é algo da pré-história do hidronegócio, porque era muito mais uma questão de política paroquial do que de negócio.

O semi-árido brasileiro já possui uma impressionante rede de reservatórios, açudes e adutoras, mas a maior parte da população continua sem acesso à água, majoritariamente destinada à agricultura de exportação. Este é um processo que se repete em boa parte dos paises do terceiro mundo e não é uma mera coincidência.

Esta é a lógica do hidronegócio, que será cada vez mais concentrador do acesso à água, na medida em que os recursos hídricos forem mais escassos. Quanto menor for a disponibilidade hídrica em um país ou região, maior o valor agregado aos bens e produtos em razão do “preço” da água virtual.

A partir do controle dos reservatórios e açudes cresce a tendência de buscar, como negócio, ter o controle de toda a água disponível. Logo, quem controlar uma nascente, um manancial, também controla toda a bacia e, por conseqüência, impõe seu poder de negociação em toda a água virtual incorporada à produção da região.

Nos novos projetos hidreléticas já existe a concepção de que a água estocada no reservatório é um negócio em paralelo à própria geração de energia elétrica

Esta é a essência do projeto de transposição do rio São Francisco. Ele foi concebido para garantir segurança hídrica dos grandes reservatórios, que destinam 70% de suas águas para o agronegócio exportador e à carcinocultura. O projeto não tem preocupações para com o acesso à água porque não é esta a motivação do hidronegócio.

No caso do aqüífero Guarani não é diferente porque, independente de sua vasta área, ele possui poucas áreas de recarga e afloramento. E, neste sentido, ter a “propriedade” das áreas de afloramento também equivale a ter a “propriedade” do aqüífero.

Se não compreendermos a importância de implementar as políticas públicas de proteção aos mananciais e ao acesso à água, estaremos subsidiando o poder econômico e político de quem controlar os “estoques” de água.

O século 21 erá o século da escassez de água e, por isto, o hidronegócio chegou para ficar. Se não formos atentos, este será o século do hidronegócio.

Henrique Cortez, ambientalista e sub-editor do Jornal do Meio Ambiente, [email protected]

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter

Author`s name: Pravda.Ru Jornal