Author`s name Pravda.ru

Acontece nas melhores famílias

"São Conrado, Zona Sul do Rio de Janeiro, 13 de junho de 2003. Rubens Sabino da Silva, de 19 anos, entrou num ônibus da linha Piabas-Passeio em São Conrado e se sentou ao lado de Edilsirlene Ferreira Rocha. Perto do Vidigal, ele pegou a bolsa do colo da passageira, sem ameaçá-la, e desceu do ônibus, fugindo em direção à favela. A vítima pediu a um motoqueiro que perseguisse o rapaz.

Quando tentava fugir, Rubens caiu nas pedras da Praia do Vidigal e se machucou. Um grupo o ameaçou, mas a polícia evitou o linchamento e o levou ao Hospital Miguel Couto" [1].

Ator do filme "Cidade de Deus" no papel de Neguinho, Rubens não ganhou nenhum centavo por sua participação, apesar de todo o sucesso da produção. Na oportunidade do assalto, sua casa era a rua, no bairro de Santa Cruz. Sua mãe, catadora de lixo.

A vítima, segundo o jornal O GLOBO de 13/6/2003, não é Rubens, e sim Edilsirlene, que perderia R$ 26 e um celular. Certamente esse foi o pensamento de parte da população que promoveu uma tentativa de linchamento, à época, evitada pela chegada da polícia. Porque quando o cara é marginal, ladrão, delinqüente, meliante, ele merece morrer.

É uma cena comum numa cidade dominada pelo medo. Uma vez identificado, o mau elemento deveria ser julgado publicamente, como na Idade Média, para que se dê uma lição nessa gente que rouba.

A não ser que você seja Otávio de Oliveira Bandetini, 20 anos, acusado de ser o cérebro de uma quadrilha que deu golpe de R$ 2 milhões em contas bancárias via internet. O GLOBO ONLINE desta sexta (15/4) [2], reproduzindo informação do diário JORNAL NACIONAL, da TV Globo, não considerou Otávio um marginal, ladrão, delinqüente, meliante. No título, ele aparece como um jovem. Diz a reportagem que o rapaz mudou-se para o Rio de Janeiro, após ter sido preso em Minas Gerais e ter ganho o direito de responder ao processo em liberdade.

Sua origem não foi revelada, mas logo que chegou na cidade maravilhosa se instalou no subsolo do flat cinco estrelas de frente para o mar. Sua nova casa será a prisão, juntamente com outras sete pessoas da quadrilha — entre elas o pai, um dentista em Arujá, interior de São Paulo. Apesar de um jovem rapaz, é também um ladrão de primeira linha.

Mas, ao contrário de Rubens, o repórter desta vez se preocupou em saber quais são os sonhos de Otávio: "Para o futuro, ele faz planos: diz que vai para faculdade assim que sair da prisão". O próprio líder da quadrilha relata: "Eu vou me dedicar ao máximo. É que eu sou do tipo que eu quero estar entre os primeiros, senão eu não sossego".

Ao contrário de Rubens, não roubava por necessidade. Tinha inclusive acusações nobres: era o cérebro de uma quadrilha, com o belo título de hacker. Isso foi o suficiente para, no lugar de ser linchado, fazer exigências — "Só diante do juiz Otávio fala sobre as acusações" — e para ser um jovem rapaz que não fez algo tão errado assim, "apenas queria estar entre os primeiros". []

_____________________________ [1] Ator de "Cidade de Deus" é preso após furtar bolsa de passageira de ônibus. O Globo, 13/6/2003. http://www.consciencia.net/2003/07/12/rubens.html [2] Polícia prende jovem acusado de ser o cérebro de quadrilha que deu golpe de R$ 2 milhões. JORNAL NACIONAL via GLOBO ONLINE, 15/4/2005. http://oglobo.globo.com/online/pais/167660184.asp ou http://www.consciencia.net/2005/mes/08/hacker-2milhoes.html

_____________________________ Gustavo Barreto é editor da revista Consciência.Net (www.consciencia.net), colaborador do Núcleo Piratininga de Comunicação (www.piratininga.org.br), estudante de Comunicação Social da UFRJ e bolsista do Programa Institucional de Bolsa de Inciação Científica (PIBIC) pela ECO/UFRJ. Contato por e-mail: [email protected]

Jornalismo Propositivo.—.Consciência.Net

http://www.consciencia.net/2005/mes/08/gb-linguagem.html