Author`s name Pravda.ru

Revisão do Cadastro Único aprimora Bolsa Família

Uma revisão minuciosa do Cadastro Único do Programa Bolsa Família trouxe maior confiabilidade nas informações contidas na relação de pessoas que recebem o benefício em todo o país.

O Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) e a Caixa Econômica Federal (CEF) cruzaram dados referentes à Relação Anual de Informações Sociais (Rais) com as informações cadastrais dos programas de transferência de renda. Para proporcionar dados mais fidedignos em relação ao cadastro dos governos federal e locais, o MDS também vem promovendo a capacitação de gestores municipais.

O cruzamento de dados permitiu a identificação dos beneficiários com renda superior à permitida pelo Bolsa Família e de programas remanescentes de transferência de renda. A Rais, do Ministério do Trabalho e Emprego, traz informações sobre o setor de emprego formal no Brasil. As prefeituras vão receber, nos próximos dias, a listagem dos beneficiários com renda familiar per capta acima dos R$ 100 - valor máximo estipulado pelo Governo Federal para se ter direito a receber o Bolsa Família - e as informações inconsistentes no cadastro de cada família, apontadas pelo teste de consistência.

O ministério identificou que das 11 milhões de famílias atendidas pelos programas de transferência de renda do governo, 1,6 milhão ou 14% do total têm emprego formal. Dentre os beneficiários que possuem carteira assinada, 896.247 famílias estão incluídas no Bolsa Família. Para a secretária de Renda de Cidadania do MDS, Rosani Cunha, esse dado é relevante, pois constata que uma pequena parcela dos beneficiários tem emprego formal. "É um indicativo que o Bolsa Família está chegando aos que mais precisam", avalia.

Desse universo, 609.448 estão de acordo com o critério de recebimento de renda de até R$ 100 per capita. As outras 286.799 - o que representa 4,4% das 6,5 milhões de famílias atendidas pelo programa - podem estar em situação irregular e serão investigadas.

De posse desses dados, as prefeituras irão se concentrar nessa última listagem e caso seja confirmada a renda familiar acima de R$ 100 per capita, os benefícios serão cancelados. Outro instrumento usado pelo ministério para avaliar o cadastro foi a revisão de informações, como endereço, nome da mãe e idade das crianças. Com base em todo o levantamento feito pelo MDS e pela Caixa Econômica Federal (CEF), os governos locais poderão atualizar o cadastro com menor custo e maior confiabilidade das informações.

A capacitação dos gestores municipais promovida pelo MDS desde o ano passado também vai evitar possíveis distorções contidas no Cadastro Único do Bolsa Família. Até o momento, 3.600 municípios participaram do treinamento, 1.700 somente em 2005. Os gestores são orientados sobre a necessidade da atualização constante do cadastro, sobre a migração dos programas de transferência de renda remanescentes, além dos planos de expansão do programa previstos para 2005 e 2006. Até o final deste ano, outros 1.900 municípios receberão treinamento.

Reforço

Além da revisão e atualização do Cadastro Único, o governo vem adotando outras medidas para reforçar a fiscalização do programa. Em janeiro, foi criada a Rede Pública de Fiscalização do Bolsa Família composta pelos Ministérios Públicos, Controladoria Geral da União e Tribunal de Contas da União. No final de 2004, o MDS encaminhou a base atualizada de dados para os municípios, na qual constam informações sobre as crianças, famílias e escolas. Além disso, no ano passado, 130 mil cartões do Bolsa Família foram bloqueados devido a duplicidade de benefícios ou por não atender aos critérios do programa.

O MDS ainda ampliou o número de postos de pagamento dos beneficiários do Bolsa Família. Hoje, a Caixa Econômica Federal possui uma rede com 33.591 unidades em todo o Brasil, entre agências, lotéricas, terminais de auto-atendimento e correspondentes bancários. Até 2006, serão 40.491 unidades no total já considerando os novos beneficiários que serão incluídos neste e no próximo ano.

O acompanhamento da freqüência escolar, realizado sobre os meses de outubro e novembro de 2004 pelo Ministério da Educação e encaminhado ao MDS, demonstrou que 95,6% dos alunos beneficiados pelo programa cumprem as exigências de freqüentar mais de 85% das aulas. Em abril, todos os municípios receberão o segundo relatório para coleta e transmissão de informações sobre a freqüência escolar ao Ministério da Educação.

A previsão do Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome para este ano é levar o programa a todas as famílias com renda per capita de até R$ 50. O MDS também pretende alcançar a meta de beneficiar com as bolsas 70% da população pobre em todo o Brasil. Até 2006, o Governo Federal tem a projeção de atingir 11,2 milhões de famílias carentes.

Secretaria de Comunicação de Governo e Gestão Estratégica da Presidência da República

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter

Author`s name: Pravda.Ru Jornal