Prisões em Portugal

Faz uma semana que Augusto Mata entrou em greve de fome, pela segunda vez no espaço de dois meses. Nesse tempo andou entre diferentes cadeias e o Hospital Prisional sem que, aparentemente, haja uma decisão sobre o tratamento adequado ao seu caso: doença mental ou problema de segurança? O resultado pode ler-se na carta que recebemos.

Mensagem de Augusto Mata

"Eu Augusto da Conceição Mata a partir do dia 5 de Abril de 2005 considero-me um mártir dentro dos serviços prisionais e para tal entrarei em greve de fome e de sede até à morte.

Travo esta última batalha contra os serviços prisionais para acabar com os maus tratos nas cadeias portuguesas: torturas físicas e psicológicas, e com os famosos corredores da morte onde hoje em dia ainda são brutalmente assassinados companheiros meus que os serviços prisionais depois à luz do dia, vêm dizer que se suicidaram.

De uma vez por todas é altura do nosso governo olhar para o interior das prisões e acabar com os verdadeiros assassínios pagos pelo Estado para poderem matar à vontade nos corredores da morte." Augusto Mata

Queremos denunciar a política de cuidados de saúde mental nas prisões portuguesas, através do exemplo presente, para o que ficará disponível para os Srs jornalistas o filho do preso em questão, como queremos denunciar o facto de a alternativa oferecida para casos problemáticos ou simplesmente incómodos poder efectivamente ser a que é referida na carta, através da apresentação de mais um caso de morte suspeita numa prisão portuguesa, através da presença de um seu familiar.

ACED

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter

Author`s name: Pravda.Ru Jornal