Seca cria problemas

George Bush gasta duzentos bilhões de dólares numa guerra sem qualquer lógica enquanto em África, crianças morrem de sede porque não têm uma rede básica de sanitação e de fornecimento de água. Com os rios a secarem e os lagos a desaparecerem, se a humanidade não resolver essa questão, e já, haverá uma catástrofe nos próximos cem anos.

Um exemplo para todos verem hoje é Angola. Na província de Huíla, no sul, tensões étnicas criadas pela falta de água levaram a uma explosão de violência em que quatro pessoas morreram e pelo menos nove ficaram feridas. As províncias Huíla, Cunene e Namibe, no sul do país, tiveram uma falta de chuva este ano, que provocou uma seca que afecta 1,5 milhões de cabeças de gado, sobre os quais a vida de milhares de nómadas depende.

Fontes locais culpam a prática dos latifundiários locais extenderem seus terrenos por reclamar grandes áreas de terra comunitária, aumentando a extensão das suas fazendas e fazendo com que os nómadas têm menos espaço para seu gado pastar. Em tempos de fartura, não se sente tanto mas quando há falta de água, o gado morre.

Os pontos de abastecimento de água providenciados pelo governo secaram e os nómadas não têm outra alternativa senão utilizar os terrenos que foram reclamados pelos latifundiários.

A violência em Huíla eclodiu quando um grupo de pessoas das etnias Muvakahona e Mucubal tiveram uma discussão sobre o alegado roubo de gado.

Mesa sem pão, todos ralham e ninguém tem razão. Hoje é uma questão já resolvida entre poucas pessoas numa província no sul de Angola. Amanhã poderá ser bastante mais grave.

Acácio BANJA PRAVDA.Ru LUANDA ANGOLA

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter

Author`s name: Pravda.Ru Jornal