Reunião de ministros do turismo da CPLP visa fortalecer setor

O ministro angolano da Cultura, Turismo e Ambiente considerou terça-feira a 11ª reunião dos ministros do Turismo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) uma oportunidade para a “consolidação da cooperação política e diplomática para o reforço do sector.

Filipe Zau, que falava na abertura do encontro em Luanda, referiu que o encontro visa uma “cooperação efectiva” entre os estados membros para o “reforço da vertente económica e empresarial após um período difícil de crise, fruto da efeitos nocivos do Covid-19.

“Este encontro constitui um recurso para o reforço das nossas relações de amizade e afecto, bem como para o exercício da nossa cooperação multilateral, e também bilateral, para a inovação num contexto de sustentabilidade ambiental”, disse.

Angola lidera a presidência rotativa da CPLP e nesta reunião vai assumir a presidência da reunião de ministros do Turismo da organização, que até agora era realizada por Cabo Verde.

Segundo Filipe Zau, o turismo, “é um setor comprovado que gera enormes expectativas para o fortalecimento das economias da comunidade, pois é através do investimento nacional e estrangeiro que será possível angariar as receitas necessárias para os desafios.

Os motivos do encontro incluem o reforço da coordenação política e a partilha de informação sobre o contributo do turismo para a recuperação socioeconómica sustentável da CPLP, consolidando a coordenação política e diplomática sobre potenciais atividades da CPLP destinadas a fortalecer o setor do turismo nos estados membros.

A reunião deverá ainda contemplar as deliberações anteriores das reuniões dos ministros do turismo da comunidade, avaliar o grau de execução do Plano de Ação do mandato anterior e identificar as prioridades para o período 2022-2024.

“Estamos, portanto, confiantes que, na nossa comunidade, o turismo pode ajudar-nos a criar emprego, melhorar a qualidade de vida das comunidades e contribuir significativamente para a valorização e valorização do património ambiental e cultural dos estados membros da CPLP”, concluiu.

O secretário-executivo da CPLP, Zacarias da Costa, lembrou na abertura do encontro que a pandemia “teve um impacto devastador na economia e no emprego, tendo a indústria do turismo sido severamente afetada pelas medidas de contenção e mitigação da propagação do vírus”. vírus.

Na sua opinião, o reconhecimento da importância económica do turismo e da necessidade da sua recuperação sustentada e resiliente pós-covid, “exige da CPLP um olhar transversal e integrado, que contribua para a formulação de políticas turísticas que induzam o desenvolvimento sustentável. ”.

A estratégia de cooperação no setor do turismo, referiu, “está alinhada com outros setores de desenvolvimento da CPLP, também estruturada em estratégias setoriais e relevantes para o desenvolvimento do setor do turismo.

Zacarias da Costa renovou ainda o compromisso do secretário-executivo da CPLP em “retomar o diálogo” com a Organização Mundial do Turismo, com vista a “renegociar o Memorando de Entendimento” entre as duas entidades.

“Para buscar sinergias e parcerias que contribuam para concretizar o potencial que o turismo representa para nossos estados membros”, disse.

Além de Angola, participam presencialmente no encontro os ministros do Turismo de Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal e São Tomé e Príncipe, enquanto os do Brasil e Timor-Leste participam por videoconferência.

“O contributo do turismo para a recuperação socioeconómica sustentável da CPLP no pós-covid. Desafios e oportunidades” é o mote desta 11ª reunião de Ministros do Turismo da CPLP.

Fonte: Club of Mozambique

Tradução exclusiva Bento Moreira

 

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter

Author`s name: Pravda.Ru Jornal