África Ocidental à beira da pior crise alimentar

Guiné-Bissau e Cabo Verde na região mais afectada por uma crise alimentar, que vai piorar nos próximos tempos

Um grupo de organizações internacionais de ajuda disse que a África Ocidental está enfrentando sua pior crise alimentar em uma década devido ao aumento de conflitos, secas, inundações e a guerra na Ucrânia que está afetando os preços dos alimentos e agravando uma situação já desastrosa, com mais de 27 milhões de pessoas que já sofrem de fome.

O relatório afirmou que entre 2007 e 2022, o número de pessoas que precisam de assistência alimentar na região da África Ocidental - incluindo Nigéria, Mali, Burkina Faso, Chade e Níger - aumentou de 7 para 27 milhões. Os grupos de ajuda global alertaram que, a menos que uma ação urgente seja tomada, o aumento marcaria "um novo nível histórico" e um aumento de mais de um terço durante o ano passado.

Segundo estimativas das Nações Unidas, 6,3 milhões de crianças de seis meses a cinco anos sofrerão desnutrição aguda na região.

A crise também foi precipitada por um declínio na produção de cereais devido a secas, inundações, conflitos e o impacto econômico da pandemia de coronavírus que levou os preços dos alimentos na África Ocidental a disparar até 30% nos últimos cinco anos.

Para aumentar a situação já terrível, os especialistas previram que a situação na Ucrânia pela Rússia poderia elevar os preços dos alimentos em até 20% em todo o mundo, "um aumento insuportável para uma população já frágil". O conflito provavelmente reduzirá significativamente a disponibilidade de trigo nos seis países da África Ocidental, que importam pelo menos um terço ou até metade de seus volumes de consumo dos países em conflito.

A crise na Europa também está resultando em cortes de financiamento para ajudar na África e US$ 4 bilhões são necessários para fornecer apoio adequado ao continente, disse o relatório.

Fonte AllAfrica Tradução John Lopes

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter

Author`s name: Pravda.Ru Jornal