Author`s name Pravda.ru

Governo da República de Angola

01. A imprensa internacional – como, de resto, aconteceu no ano 2002 – está a fazer eco de relatórios de algumas instituições internacionais que revelam o suposto desaparecimento dos cofres públicos angolanos de cerca de US$4.200 milhões entre os anos de 1997 e 2002. Tais instituições têm citado como uma das fontes de tais dados os relatórios das missões do Fundo Monetário Internacional ao abrigo do Artigo IV dos seus estatutos.

02. É do conhecimento público que o sistema de orçamentação e gestão financeira pública angolano, assim como o seu sistema estatístico nacional têm insuficiências. Reconhecendo isso, o governo aprovou, no ano de 2002, um Programa de Modernização das Finanças Públicas que sistematiza as acções que já vinham sendo desenvolvidas para melhorar o processo de orçamentação e gestão financeira públicas; de igual modo foi aprovado o Plano Estatístico Nacional proposto pelo Conselho Nacional de Estatística; recentemente, o governo angolano concluiu um acordo de crédito com o Banco Mundial, o qual visa a implementação do projecto de Assistência Técnica à Gestão Macroeconómica (EMTA); várias missões do Banco Mundial e do FMI, a pedido do governo angolano, visitaram o país no ano de 2003, no quadro do Public Expenditure Management and Financial Accountability Review (PEMFAR).

03. Num passado recente, o governo viu coartadas as acções que pretendia empreender com vista a melhoria do sistema de contabilidade pública, dependentes de assistência técnica, em razão de as instituições internacionais que se propunham assegurar tal assistência técnica envolverem o governo numa teia burocratizada de condicionalismos incompreensíveis, tentando impor a sua vontade.

03. Ora, é em decorrência das reconhecidas insuficiências que o sistema de orçamentação e gestão financeira do sector público e o sistema estatístico nacional evidenciam que, ao computar-se as operações do Governo entre os anos de 1997 e 2002, de acordo com os dados do governo, se verificam discrepâncias entre as disponibilidades totais registadas e os gastos totais registados que se estima ser de cerca de US$ 673,5 milhões positivos assim distribuídos:

 1997: US$ + 29,8 milhões;  1998: US$ - 142,9 milhões;  1999: - 243,4 milhões;  2000: + 631,1 milhões;  2001: + 411,8 milhões; e  2002: - 12,9 milhões.

04. O referido montante corresponde, na verdade, a uma combinação de valores de despesas efectivamente realizadas, serviço da dívida externa do sector empresarial pago pelo Governo, disponibilidades de recursos e diferenças cambiais decorrentes da desfazagem entre o momento da disponibilidade dos recursos, o momento da realização da despesa, o momento do pagamento e o momento do registo contabilístico ou estatístico, mas que não foram oportunamente registados por disfunções no sistema. Pretender-se, pois, que se trate de desvio de recursos públicos é, manifestamente, uma atitude de má fé de quem quer, deliberadamente, com fins obscuros, escamotear a verdade.

05. Por outro lado, conforme se observa, a discrepância apurada pelo Governo entre 1997 e 2002 é equivalente a cerca de US$ 673,5 milhões, e não, como se quer fazer crer o FMI terá reportado, de US$ 4.200 milhões.

06. Importará assim referir que as autoridades angolanas não podem ser responsabilizadas por quaisquer estimativas que o staff do FMI faça sobre a economia angolana, nem tão pouco se devem mostrar obrigadas a justificar as divergências entre tais estimativas e os dados reportados pelas autoridades que são, de longe, os que melhor conhecem a realidade angolana. De resto, é ao staff do FMI que se impunha a obrigação de justificar as eventuais divergências das suas estimativas, uma vez que os dados das autoridades correspondem a factos. E pretender dar mais crédito as estimativas do staff do FMI parece-nos uma atitude de parcialidade que indicia má vontade em relação às acções dos governos. Alguém insuspeito para as instituições financeiras internacionais como Joseph Stiglitz, prémio Nobel de economia 2001 e antigo Vice-presidente do Banco Mundial, escreveu com conhecimento de causa, no seu livro “Globalization and its Discontents”, que “os dados que ele [FMI] reporta estão viciados pelas suas responsabilidades operacionais; para dar a entender que os seus programas funcionam, para tornar os números coerentes, as projecções económicas têm de ser ajustadas.”

Luanda, 14 de Janeiro de 2004

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter

Author`s name: Pravda.Ru Jornal