Author`s name Pravda.ru

A chefe da CE ordenou que a Rússia não exigisse o pagamento atempado do fornecimento de gás

A chefe da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, acusou a Rússia de pressionar a Moldávia e pediu aos países europeus que protejam suas sociedades do jogo geopolítico.


Numa reunião do Parlamento Europeu, von der Leyen disse que limitar o fornecimento de gás russo à Moldávia durante um período de fortes aumentos dos preços da energia é uma tentativa de exercer pressão sobre as autoridades deste país.

"Vemos tentativas francas de pressionar a Moldávia, limitando o fornecimento de gás durante um período de altos preços da eletricidade. Os Estados membros da UE devem proteger suas sociedades deste cínico jogo geopolítico", disse o chefe da Comissão Europeia.

Ela acredita que "regimes autoritários" estão tentando desestabilizar os países da UE e países vizinhos. Ursula von der Leyen disse que a União Europeia deseja manter relações amigáveis ​​com a Rússia, mas que a Rússia supostamente escolheu uma abordagem agressiva para com seus vizinhos.

Em outubro, a Rússia e a Moldávia fecharam um contrato de fornecimento de gás de cinco anos. Ao mesmo tempo, Chisinau comprometeu-se a pagar as entregas dentro do prazo. Mas já em novembro surgiu um problema - o pagamento não foi feito a tempo. A este respeito, a Gazprom alertou a Moldávia sobre a possibilidade de interromper o abastecimento. O problema foi resolvido, o dinheiro para o pagamento foi encontrado na Moldávia. Mas se essa situação não se repetirá no futuro é uma questão em aberto.

"O chefe da Comissão Europeia deve tentar não pagar sua própria conta pelo gás uma única vez, embora tenha uma dívida comparável a um contrato anual, e ver como seu fornecedor agirá", cita o diretor-adjunto do Fundo Nacional de Segurança Energética, Alexei Grivach. EurAsia Daily.

Recorde-se que a sexta cimeira da Parceria Oriental terá lugar em Bruxelas em 15 de dezembro. Este é um projeto da União Europeia e, portanto, os presidentes e chefes de governo de 27 Estados da UE participam na cimeira. E, além disso, as delegações dos estados da "Parceria Oriental": Ucrânia, Geórgia, Moldávia, Azerbaijão e Armênia.

A Parceria Oriental também inclui a Bielorrússia, mas a delegação deste país, por razões óbvias, não estará em Bruxelas.

 

Tópicos