Author`s name Lubov Lulko

Rússia pronta a criar bases navais na Índia, Arábia Saudita, Iraque, Irão

No âmbito da nova Doutrina Naval, Moscovo anunciou a sua intenção de criar novas bases navais:

no Mar Mediterrâneo,

na região da Ásia-Pacífico (APR),

no Oceano Índico,

no Golfo Pérsico.

Áreas marítimas de interesse vital

O Presidente russo Vladimir Putin assinou o decreto correspondente no Dia da Marinha a 31 de Julho.

A doutrina afirma que o curso americano para o domínio dos oceanos é o principal desafio para a segurança nacional da Federação Russa. A doutrina define as zonas de "interesses vitais" onde os métodos militares podem ser utilizados quando os métodos diplomáticos já não podem ser úteis. Estas zonas "estão directamente relacionadas com o desenvolvimento do Estado, a protecção da sua soberania, a integridade territorial e o reforço da defesa, e afectam criticamente o desenvolvimento sócio-económico do país".

Estas incluem as águas marítimas internas e o mar territorial da Federação Russa, a zona económica exclusiva do país e a sua plataforma continental:

A Bacia Árctica, incluindo a área aquática da Rota do Mar do Norte (NSR),

o Mar de Okhotsk,

O sector russo do Cáspio.

Com base nas prioridades do Árctico, a doutrina prevê a expansão das actividades da Rússia

em Svalbard,

Franz Josef Land

Novaya Zemlya

e Wrangel Island.

A nova doutrina naval russa nomeia países de cooperação naval prioritária

A doutrina assinala a falta de um número suficiente de bases navais fora da Federação Russa, o que constitui um risco para a segurança da Rússia, e propõe a criação de pontos de apoio logístico para a Marinha russa

na Ásia Pacífico

em "uma série de países da região mediterrânica",

no Mar Vermelho

e o Oceano Índico.

A Rússia também planeia expandir a cooperação com o Irão, Iraque e Arábia Saudita e desenvolver a cooperação naval com a Índia. Todos os países acima mencionados abstêm-se de acusar a Federação Russa em ligação com a operação especial na Ucrânia.

A Índia é o principal parceiro da Rússia

A Índia é o país mais relevante e útil para a cooperação marítima e militar devido à sua pertença aos BRICS, SCO e interesses no Árctico.

Após 24 de Fevereiro, a Índia tornou-se o principal parceiro geopolítico da Rússia. Os dois países têm vindo a aproximar-se, tanto política como economicamente. De acordo com as estatísticas indianas, o volume de negócios comercial entre os dois países ascendeu a 6,4 mil milhões de dólares americanos de Janeiro a Abril de 2022. Isto é quase duas vezes mais do que no mesmo período do ano passado. A Índia compra hidrocarbonetos e empresas russas sancionadas, deixadas por empresas ocidentais.

Em finais de 2021, na cimeira de Nova Deli, foram assinados acordos militares, inclusive sobre o fornecimento de sistemas S-400. Além disso, a Rússia e a Índia realizam exercícios militares conjuntos.

O acordo chave de intercâmbio recíproco de logística (RELOS) foi desenvolvido há muito tempo e deverá ser assinado em breve. Em conformidade com este documento, a Rússia e a Índia podem utilizar instalações logísticas militares enquanto visitam os portos, bases e instalações militares um do outro.

A Índia pediu abertamente apoio para a visão russa do desenvolvimento do sistema de produção de material e está interessada no desenvolvimento do Árctico.

Os interesses da Índia na região do Árctico têm vindo a crescer ultimamente, em parte para contrabalançar a ambição da China. Num futuro próximo, Nova Deli pretende investir, em particular, na exploração de petróleo, gás e outros minerais de terras raras russos. O apoio da Federação Russa no domínio da segurança estratégica é necessário para a sua protecção.

Actualmente, a Índia não possui instalações portuárias nem bases navais no Árctico. Um acordo como o RELOS permitirá à Marinha indiana ter uma maior cobertura operacional nesta região, e a Rússia poderá expandir a sua influência no Oceano Índico - uma zona de interesses directos dos EUA.

Arábia Saudita afasta-se dos EUA

A Arábia Saudita tem vindo a afastar-se cada vez mais da influência dos Estados Unidos. A 29 de Julho, a Arábia Saudita obteve o estatuto de parceiro na Organização de Cooperação de Xangai (SCO). De acordo com relatórios não confirmados, a Arábia Saudita também quer aderir aos BRICS.

Os membros da SCO - China, Rússia, Cazaquistão, Uzbequistão, Índia, Paquistão, Quirguizistão e Tajiquistão - preparam-se para abandonar o dólar americano como meio de pagamento.

Em Setembro de 2021, a Rússia e a Arábia Saudita assinaram em Moscovo um acordo sobre o desenvolvimento da cooperação militar. Os pormenores não foram revelados. A Arábia Saudita tem acesso tanto ao Golfo Pérsico como ao Mar Vermelho.

O Irão não deixará a Rússia perder para o Ocidente

Durante a cimeira de Samarkand SCO de Setembro, o Irão tornar-se-á um nono membro de pleno direito da associação. Teerão também se candidatou aos BRICS. A visita de Vladimir Putin a Teerão no mês passado mostrou que as relações da Rússia com a República Islâmica estavam a atingir um novo nível estratégico.

Teerão não pode deixar que a Rússia perca a guerra por procuração na Ucrânia com o Ocidente. O Irão continuará a desenvolver a cooperação militar e técnica com a Federação Russa. Não é de excluir que Teerão forneça também os seus portos no Golfo Pérsico para pontos de apoio logístico.

Iraque agradece à Rússia por ter condenado a intervenção dos EUA em 2003

O Iraque está agora a atravessar outra crise política, mas a sua atitude em relação à Federação Russa em todos os partidos e na sociedade varia de neutra a pró-russa.

Em 2017, o Iraque encomendou tanques russos no valor de mil milhões de dólares, acrescentando à sua vasta reserva de veículos blindados de fabrico russo. Em Maio de 2019, o Iraque anunciou uma decisão de compra de sistemas de defesa aérea russos S-400.

O Iraque tem acesso ao Golfo Pérsico. Embora a linha costeira seja muito curta, o Golfo está ligado pelo Estreito de Hormuz com o Iraque:

o Golfo de Omã,

o Mar Arábico,

o Oceano Índico.

Lavrov soa a oportunidades sobre bases navais no Mar Vermelho

É digno de nota que a Rússia também negoceia uma base naval no Sudão. As autoridades deste país ainda não decidiram ratificar o acordo. Moscovo gostaria de receber autorização do Sudão para manter até quatro navios de guerra no Mar Vermelho. Em troca, a Rússia forneceria ao Sudão equipamento militar e outra ajuda governamental.

Na sua última viagem africana, o Ministro dos Negócios Estrangeiros Sergei Lavrov visitou os países que têm acesso ao Mar Vermelho - Egipto e Etiópia. A Eritreia, que vota sempre contra as resoluções anti-russas na Assembleia Geral da ONU, também se encontra ali.

O Vice Almirante Pyotr Svyatashov, Chefe do Estado-Maior da Frota do Mar Negro, Primeiro Vice-Comandante da Marinha em 1992-1997, disse a Pravda.Ru que a União Soviética tinha uma doutrina de defesa naval, enquanto que a Rússia não tinha qualquer documento desse tipo.

"A doutrina que o presidente assinou declara as intenções da Rússia. Temos de resolver esta questão através dos canais diplomáticos com outros países, excepto a Síria. Este documento é um impulso para o desenvolvimento das relações e determinação das nossas bases navais noutros países, no contexto da situação internacional", disse o perito ao Pravda.Ru.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter