Author`s name Lubov Lulko

O mundo espera ansiosamente pelo que Putin vai dizer em 9 de Maio

O mundo aguarda ansiosamente para ver como a Rússia celebrará o Dia da Vitória a 9 de Maio e o que o seu líder, Vladimir Putin, irá dizer.

Declarar guerra e mobilização na Rússia

O Presidente russo Vladimir Putin pode declarar oficialmente guerra no Dia da Vitória a 9 de Maio à Ucrânia, uma medida que exigiria forças de reserva e uma mobilização total da população, informou a CNN, citando fontes conhecedoras dos EUA e da Europa Ocidental.

Outras opções da CNN incluem:

Actividades para incorporar o DNR e o LNR na Federação Russa,

lançar um ataque a Odessa,

declarando o controlo total do Mariupol.

"Putin dirá: 'Olha, agora é uma guerra contra os nazis e eu preciso de mais gente'", o Secretário de Defesa britânico Ben Wallace fez eco à publicação americana numa entrevista à rádio LBC.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, negou esta informação. "Não é verdade, é um disparate", disse Peskov em resposta a uma pergunta sobre se a mobilização pública seria anunciada a 9 de Maio. Respondeu de forma semelhante a uma pergunta sobre a possibilidade da Ucrânia declarar oficialmente a guerra.

Aterragem russa em Odessa ou Kiev

A Ucrânia tem medo de uma força de aterragem. Foi introduzido um recolher obrigatório contínuo em Odessa das 22:00 horas de 8 de Maio de 2022 às 05:00 horas de 10 de Maio de 2022. A 9 de Maio, a estação ferroviária de Odessa, estações de autocarros e terminais de autocarros serão parados, e as linhas de autocarros suburbanos e interurbanos através da região não funcionarão.

O presidente da câmara de Kiev, Vitaly Klitschko, aconselhou a não repatriar refugiados para Kiev antes de 9 de Maio, pois "o alvo do agressor era e continua a ser a capital" e "ainda não podemos garantir a segurança", disse Klitschko à Radio NV num comentário.

Por outro lado - em todos os territórios libertados, as férias estão a ser amplamente preparadas, embora com um recolher obrigatório no local. As razões também são claras: as provocações dos "partidários" não estão descartadas. Assim, mesmo o "Regimento Imortal" será realizado em Melitopol, o que significa que a situação o permite.

Coluna de prisioneiros de guerra da AFU no desfile

O jornal britânico The Times diz que, segundo os analistas, o Kremlin pode exibir "centenas de prisioneiros de guerra ucranianos" na Praça Vermelha durante um desfile militar. Isto seria útil em Mariupol ou Donetsk, mas não em Moscovo, uma vez que até agora não houve nenhum avanço no SSO.

Influência crescente das forças pró-russas

A Europa teme uma onda de apoio ao SSO sob a forma de manifestações das forças pró-russas. As autoridades de Berlim proibiram o hasteamento de bandeiras russas nos acontecimentos de 8-9 de Maio. A Lituânia está a retirar forças adicionais para observar se alguém anda por aí com uma fita de São Jorge. O símbolo festivo (assim como os símbolos Z e V) é proibido em quase toda a Europa, e em países "amigos" da Rússia - Quirguistão, Cazaquistão - não é recomendado usá-lo e estão a introduzir as suas próprias fitas. Gagauzia permitiu a St. George Ribbon, enquanto Chisinau, que a proibiu, ameaçou-a com multas e sanções administrativas.

O Kremlin não está a empurrar nada para o Dia da Vitória

Moscovo disse que nada está ligado ao 9 de Maio. Tudo se passa como planeado.

"As nossas tropas não irão ajustar artificialmente as suas acções para quaisquer datas, incluindo o Dia da Vitória", disse o Ministro dos Negócios Estrangeiros Sergei Lavrov.

E aqui, os russos gostariam de "ajustar", ou seja, celebrar a Vitória com êxitos na defesa aérea, e estão preocupados com a razão pela qual o exército russo está a retirar-se das proximidades de Kharkiv a tempo das férias. É um acordo? Ou é um plano astuto? Ou não há mais forças? E as pessoas nos territórios abandonados?

As autoridades tentaram ir ao encontro das preocupações enviando o secretário do conselho geral do partido da Rússia Unida Andrey Turchak e o chefe adjunto da administração presidencial russa Sergei Kiriyenko a Kherson antes das férias. A comunicação de Kiriyenko com os residentes locais concentrou-se principalmente na restauração das infra-estruturas civis e na assistência à população afectada.

E Turchak, numa reunião com o chefe da administração militar-civil regional de Kherson, Vladimir Saldo, assegurou que "a Rússia está aqui para sempre e que não haverá regresso ao passado".

Pela sua parte, Saldo chamou à região "uma parte integrante da grande família - a Federação Russa".

Tirar o bastão aos pais e avôs

Mais perto da realidade estava a Reuters.

"A 9 de Maio, Putin enviará um aviso 'apocalíptico' ao Ocidente num desfile que assinala o 77º aniversário da vitória da URSS sobre a Alemanha nazi, demonstrando o imenso poder de fogo da Rússia enquanto as suas forças continuam a lutar na Ucrânia", escreveu a agência.

O solene "fly-over", explicou a agência, contará com um avião de comando IL-80, o avião do Juízo Final. É para se tornar um centro de comando móvel para Putin numa guerra nuclear em larga escala.

Washington prometeu que a Lei Lend-Lease para a Ucrânia será assinada por Joe Biden a 9 de Maio. Os EUA celebram que "Putin não entrou em Kiev a 9 de Maio" e insistem que a Ucrânia vencerá. E os americanos insistirão nisso com todas as suas forças.

O Dia da Vitória deste ano assume portanto o significado de um bastão passageiro dos nossos antepassados, que ganharam a guerra mais dura contra o Ocidente em 1945. "Os Aliados" só declararam uma segunda frente quando se tornou claro que isto era necessário para não dar à URSS o controlo de toda a Europa.

O desfile actual será semelhante ao desfile de Moscovo em 1941, ou seja, a existência do nosso Estado está a ser decidida de novo.

Como Vitaly Nebenzia, representante permanente da Rússia junto da ONU, afirmou numa recente reunião do Conselho de Segurança da ONU, o Ocidente está a travar uma guerra por procuração com a Rússia, ou seja, às mãos dos ucranianos, e o seu objectivo é que "a Ucrânia vença". O que precisamos é de Vitória, que levará à perda do domínio anglo-saxónico no mundo, ao colapso da União Europeia e a uma crise violenta nos EUA - com o seu subsequente colapso também.

 

 

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter