Kremlin: Ataque de mísseis de Odessa não afetará acordo de exportação de grãos

Moscou e Kyiv concordaram em garantir a exportação segura de grãos de Odessa e duas outras cidades ucranianas. O ataque russo de mísseis Kalibr ao porto de Odessa não prejudicará o acordo, pois o ataque visou instalações militares. Não há ameaça à exportação de grãos nos termos do acordo entre os dois países, disse o porta-voz oficial do Kremlin, Dmitry Peskov.

"Isto está relacionado apenas com a infra-estrutura militar". Isto não está de forma alguma relacionado com a infra-estrutura que é utilizada para cumprir o acordo de exportação de grãos". Portanto, isto não pode afetar de forma alguma, não deve afetar o início do processo de embarque", disse Peskov aos repórteres.

A Reuters e a AFP informaram em 23 de julho que os mísseis atingiram o porto de Odessa na manhã de 23 de julho. O Secretário de Estado norte-americano Anthony Blinken culpou então a Rússia pelo ataque e declarou que este prejudicou tanto os esforços para entregar alimentos quanto a credibilidade das obrigações da Rússia nos termos do acordo.

O Ministro da Defesa turco Hulusi Akar disse que funcionários russos, em conversa com o Ministério da Defesa turco, negaram o envolvimento de Moscou nas greves. No dia seguinte, o Ministério das Relações Exteriores russo confirmou os ataques ao porto de Odessa. Os mísseis Kalibr destruíram a infra-estrutura militar do porto de Odessa, tendo enviado um barco militar ucraniano ao endereço que o regime de Kyiv tanto gosta, disse Maria Zakharova, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores russo.

Segundo o Ministério da Defesa russo, a greve destruiu um armazém de mísseis Harpoon americanos e um navio de guerra ucraniano que permanecia no cais. As instalações da fábrica de reparos de navios da Marinha ucraniana também foram destruídas.

A Ucrânia condenou a greve dos mísseis no porto de Odessa. O presidente Volodymyr Zelensky chamou o incidente de "flagrante barbarismo russo". Os mísseis que a Rússia disparou contra Odessa "destruíram a própria possibilidade" sobre a necessidade de diálogo com a Rússia, disse ele.

Em 22 de julho, a Rússia e a Ucrânia assinaram separadamente um acordo com a Turquia, sob testemunho da ONU, sobre a exportação de grãos de três portos ucranianos - Odessa, Chernomorsk e Yuzhny. O acordo previa a exportação de grãos ao longo de rotas seguras e desobstruídas. Ficou acordado que os navios de guerra não teriam o direito de se aproximar deles.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter

Author`s name: Petr Ermilin