Líderes da Chechênia e Buryatia criticam duramente o Papa Francisco por suas observações de espírito leve

Ramzan Kadyrov, Presidente da Chechênia, criticou o Papa Francisco por chamar os tchetchenos e os enterros de "a parte mais cruel" das tropas russas na Ucrânia.

Em uma entrevista com uma revista jesuíta, o Papa Francisco disse:

"Os mais cruéis são talvez aqueles que são da Rússia, mas não são da tradição russa, como os tchetchenos, os enterros e assim por diante", disse ele. "Eu falo de um povo que é martirizado. Se você tem um povo martirizado, você tem alguém que o martiriza".

Segundo Kadyrov, guiados pela religião, os tchetchenos "não iniciam uma luta sem uma oferta de paz". Quanto à atitude deles em relação aos prisioneiros de guerra, são os próprios militares ucranianos que podem falar sobre isso, Kadyrov escreveu em um post em seu canal oficial de Telegramas.

"Não há um único alcoólatra ou viciado em drogas" entre os combatentes chechenos, e cada um deles é "profundamente religioso", acrescentou ele.

Cada um dos combatentes sabe que quando em guerra, não se deve esquecer a honra, a dignidade e o respeito até mesmo pelo inimigo, observou o chefe da Chechênia.

"É uma vergonha para uma figura religiosa de classe mundial não conhecer a atitude dos muçulmanos em relação ao inimigo", escreveu também Kadyrov.

"Sim, somos zelosos em proteger nossa pátria, nossa religião e nosso povo". Apelamos para que o inimigo se renda e para que nossos cidadãos se defendam. Isto é crueldade?" Kadyrov continuou.

Kadyrov também se perguntava como se poderia determinar as qualidades do inimigo no campo de batalha.

"Como se pode determinar visualmente a nacionalidade de um soldado russo levando em consideração o fato de que existem mais de 190 povos em nosso país?" acrescentou ele.

O presidente checheno assumiu que o Pontífice não seria capaz de responder a essas perguntas, pois ele "caiu vítima da propaganda da mídia estrangeira".

O chefe da Buryatia rachou o Papa Francisco

Alexei Tsydenov, o chefe da República de Buryatia, também criticou o Papa Francisco por suas observações sobre os tchetchenos e os enterros.

Segundo Tsydenov, a história conhece "muitos exemplos da destruição de cidades, países e mesmo povos por aqueles que pensavam de si mesmos como representantes de nações civilizadas".

Para exemplificar seu ponto de vista, ele lembrou:

  • o genocídio indiano na América do Norte,
  • as Cruzadas,
  • o bombardeio de Belgrado,

e a Líbia que tinha sido "bombardeada sem a participação nem dos enterros nem dos tchetchenos e outros povos da Grande Rússia".

O embaixador russo no Vaticano Alexander Avdeev disse que as observações do Papa Francisco sobre as Forças Armadas russas foram ultrajantes.

Maria Zakharova, representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, chamou a declaração do Papa Francisco de "perversão".

"Isto não é russofobia - isto é uma perversão, não sei de que nível". Nos anos 90 e no início dos anos 2000, foi-nos dito exatamente o contrário. Foi-nos dito que eram os russos, os eslavos, que estavam torturando os povos do Cáucaso. Hoje, nos dizem que são os povos do Cáucaso que estão torturando os russos", disse Zakharova.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter

Author`s name Petr Ermilin