Negócio de exportação de grãos: Turquia e ONU retomam inspeção de navios

A Turquia e a ONU retomaram as inspeções de navios após a Rússia ter saído do negócio de exportação de grãos. A ONU acordou com a Ucrânia e a Turquia a partida de 12 navios na segunda-feira.

O primeiro navio foi autorizado a partir após o colapso do acordo de exportação de grãos, disse um funcionário da ONU, informou a Reuters.

A Turquia e a ONU retomaram as inspeções dos navios dos portos ucranianos depois que a Rússia suspendeu a participação no acordo de exportação de grãos. A ONU concordou com a Ucrânia e a Turquia em um plano para 16 navios: 12 deles deveriam deixar os portos, os demais deveriam chegar na segunda-feira, 31 de outubro.

Segundo os serviços de rastreamento de navios, dois navios graneleiros, o Almirante de Ribas e o Monte Baker carregados com grãos e outros produtos agrícolas deixaram os portos ucranianos na segunda-feira.

Enquanto isso, a França está trabalhando para garantir que a Ucrânia possa exportar alimentos através de rotas terrestres em vez do Mar Negro, disse o Ministro da Agricultura e Soberania Alimentar Marc Fesneau à RMC Radio, citado pela Reuters.

"Queremos entender se os produtos alimentícios podem ser transportados por terra se não puderem ser transportados através do Mar Negro", disse Fesneau acrescentando que a Romênia e a Polônia poderiam ser usadas como possíveis rotas de transporte.

A Turquia e a ONU concluíram o acordo de exportação de grãos separadamente com a Rússia e a Ucrânia em julho. Em 29 de outubro, a Rússia suspendeu sua participação no acordo que garantia a passagem segura de navios transportando grãos ucranianos através do Mar Negro.

Após o ataque com drones a navios de guerra russos da frota do Mar Negro e de navios civis em Sevastopol, o Ministério da Defesa russo anunciou no sábado que estava se retirando do acordo.

De acordo com o ministério, os navios de guerra russos atacados garantiram a segurança do corredor de grãos. O Ministério da Defesa acusou especialistas da Marinha Britânica localizados em Ochakiv, região de Mykolaiv, na Ucrânia, ao preparar o ataque e treinar os militares ucranianos.

A UE e os EUA exortaram Moscou a restabelecer o acordo. Segundo o vice-ministro das Relações Exteriores russo Andrei Rudenko, isto se tornará possível após as circunstâncias do ataque aos navios da frota russa do Mar Negro serem esclarecidas.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter

Author`s name Petr Ermilin