Rússia promete resposta militar caso Finlândia e Suécia adiram à OTAN

O presidente da Finlândia Sauli Niiniste e o primeiro-ministro Sanna Marin apoiaram o pedido de adesão do país à OTAN.

A declaração conjunta emitida pelos líderes finlandeses disse que a adesão à OTAN fortaleceria a segurança da Finlândia. Segundo o chefe de governo e o presidente, a incorporação da Finlândia à OTAN aumentará a capacidade de defesa e fortalecerá a aliança. Eles também disseram que a Finlândia deveria se candidatar à OTAN como uma questão prioritária.

"Esperamos que as medidas nacionais ainda necessárias para chegar a esta decisão sejam tomadas rapidamente nos próximos dias", disse a declaração conjunta.

Ao mesmo tempo, a Finlândia poderá se candidatar oficialmente à OTAN após esta etapa ser aprovada em uma reunião do Partido Social Democrata, que será realizada em 15 de maio, disse a publicação Ilta-Sanomat.

Foi noticiado anteriormente que a Finlândia e a Suécia queriam apresentar suas candidaturas à OTAN ao mesmo tempo para expressar assim a solidariedade entre os novos candidatos.

A Rússia responde aos planos da Finlândia e da Suécia da OTAN

"A Rússia será forçada a tomar medidas de retaliação, tanto militares quanto de outra natureza, a fim de reduzir as ameaças que surgem à sua segurança nacional a este respeito", disse o Ministério das Relações Exteriores russo em uma declaração comentando a possível adesão da Finlândia à OTAN.

Se a Finlândia aderir à OTAN, a Rússia verá tal medida como uma violação das obrigações legais internacionais, disse uma mensagem publicada no site oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia.

Moscou sempre garantiu a Helsinque que as ações agressivas da Rússia contra a Finlândia nunca aconteceriam. Entretanto, o desejo da Finlândia de aderir à OTAN vem em violação do Tratado de Paz de Paris de 1947, segundo o qual as partes se comprometeram a não firmar alianças e coalizões dirigidas contra uma delas.

O Ministério das Relações Exteriores acrescentou que a Finlândia também violou o Tratado de 1992 sobre os fundamentos das relações entre Moscou e Helsinque. O tratado estipulava que a Rússia e a Finlândia deveriam "abster-se do uso da força contra a integridade territorial ou a independência política do outro partido".

"Entretanto, dada a forma como o Ocidente negligencia o direito internacional, tal comportamento se tornou normal", concluiu o Ministério das Relações Exteriores.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter

Author`s name Petr Ermilin