Fundação para a Proteção dos Valores Nacionais dá voz às razões da crise em Moçambique

O país africano luta contra o terrorismo e a pobreza há dez anos, mas sem sucesso.

Para Moçambique, 2021 foi um ano decisivo em termos de luta pela segurança nacional. A atividade terrorista no país atingiu o seu clímax, o que obrigou as autoridades a recorrerem à ajuda de países estrangeiros.

Os editores do jornal The Vek, juntamente com o chefe da Fundação para a Proteção dos Valores Nacionais, Maxim Shugalei, analisaram as causas e os participantes da crise em Moçambique.

Mais da metade da população de Moçambique pratica o cristianismo, enquanto o número de muçulmanos mal ultrapassa os 20 por cento. Existem também religiões tradicionais com elementos de culto aos ancestrais, totemismo, animismo, etc.

Pregadores do estado vizinho da Tanzânia trouxeram o Islã radical a Moçambique no início de 2010. Isso levou à formação do grupo Ansar Al-Sunna, que jurou fidelidade ao Estado Islâmico (organização terrorista proibida na Rússia).

“É sempre mais fácil cometer atrocidades sob o pretexto de propósitos religiosos”, disse Shugalei.

O grupo estava se fortalecendo e o número de ataques a militares aumentava com o passar dos anos. Com o passar do tempo, o grupo conseguiu obter armas e equipamentos militares.

Hoje em dia, militantes de Ansar Al-Sunna controlam a província de Cabo Delgado, no norte do país. Essa área é rica em gás natural, o que a torna atraente não só para os militantes, mas também para os investidores estrangeiros. Empresas francesas e americanas competiram por uma chance de construir um terminal de gás liquefeito. A French Total venceu a competição, mas o projeto teve que ser mantido no gelo devido a ataques terroristas.

Milhares de moradores da província foram obrigados a abandonar suas casas e fugir para as regiões vizinhas. Após a captura da cidade de Palma, decidiu-se atrair novamente as forças estrangeiras para combater os radicais. Militares das Forças Armadas do Ruanda e da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC) chegaram a Moçambique para o efeito. Militares oficiais da África do Sul vieram substituir o Grupo Consultivo Dyck. A União Europeia deve enviar seus instrutores militares no outono. No entanto, a chegada de especialistas russos é considerada a experiência mais eficaz na atração de estrangeiros para lidar com problemas em Moçambique.

"Pelo que eu sei, as forças russas foram de fato atraídas para estabilizar a situação no país em 2019 durante as eleições presidenciais. As autoridades locais recorreram a empreiteiros privados da Rússia. Os radicais ainda tentaram avançar para o interior, em direção à capital, mas eles deparou-se com a resistência de um inimigo grave. Os russos mostraram-se o melhor que podiam, tendo cumprido a missão com perdas mínimas. Várias cidades foram libertadas de uma vez. Apenas um especialista foi morto e vários ficaram feridos, enquanto os militares moçambicanos simplesmente escapou do campo de batalha para que os radicais não os capturassem e matassem", disse Shugalei.

Há rumores, a julgar por publicações na mídia ocidental, de que trata dos lutadores PMC Wagner. Em qualquer caso, os aliados estrangeiros de Moçambique terão de fazer enormes esforços para fazer face à situação crítica em Cabo Delgado.

Pravda.Ru

Contacto: jornalpravda@gmail.com