Author`s name Pravda.ru

Americana perde emprego por fotografar caixões com soldados

Uma das fotos, foi publicada na primeira página da edição de domingo do Seattle Times, um jornal da Costa Oeste norte-americana, e desde então vem percorrendo a internet.

A foto exibida no jornal (veja acima) mostra mais de duas dezenas de caixões, dentro de uma aeronave pousada no Kuait. O diretor do diário, Michael Fancher, disse ter recebido demonstrações de apoio dos seus leitores devido à publicação, através de e-mails e telefonemas.

Tami Silicio, 50 anos, foi despedida na quarta-feira pela Maytag Aircraft Corp. depois que funcionários do governo dos EUA expressaram "preocupações bem específicas" relacionadas à foto, disse William L. Silva, presidente da Maytag. O marido da fotógrafa dos ataúdes, David Landry, também foi demitido, sem que a empresa apresentasse seus motivos. A Maytag tem um contrato com a força aérea americana, para fornecer serviços aeroportuários.

Silva não quis comentar as preocupações do Pentágono, apenas frisou que Tami violou regras da companhia e do governo federal. A alegação do governo norte-americano é que censura a divulgação das fotos "por respeito aos familiares das vítimas".

Censura começou em 1991

Segundo uma política adotada desde a Guerra do Golfo de 1991, o Pentágono proíbe que a imprensa fotografe caixões de corpos de combatentes sendo trazidos de volta aos EUA, alegando que a publicação de tais fotos representa uma dor a mais para as famílias dos mortos. Críticos dizem que informação está sendo negada ao público, e que a administração Bush insiste na política para evitar o impacto, na opinião pública, dos caixões sendo trazidos do Iraque.

A proibição tem relação com os traumas deixados pela Guerra do Vietnã (1963/1975). As imagens dos cadáveres de soldados sendo repatriados para os EUA em sacos de plástico negro tiveram forte impacto sobre a opinião pública dos EUA, estimulando o movimento pela paz.

"É algo que você não vê na mídia"

Tami disse que tirou a foto de 20 caixões envoltos com bandeiras dos EUA prestes a serem transportados do Kuwait para os Estados Unidos a fim de mostrar aos parentes dos mortos que equipes civis e militares tratam com carinho e devoção os restos mortais de seus amados. "Eu não tinha a intenção de perder meu emprego nem de ficar famosa", disse. "Sinto-me como alguém que foi golpeada no peito por uma barra de ferro", disse ainda. Ela está sendo mantida no Kuait, enquanto seus empregadores e o exército decidem o que fazer.

Ela enviou as fotos a um amigo do seu Estado, Amy Katz, que por sua vez repassou-as ao jornal. E autorizou a publicação sem pedir nenhuma compensação financeira. "Eu disse simplesmente: uau", relata o fotógrafo do Seattle Times, descrevendo sua reação ao ver a foto. "É algo que você não vê na mídia", complementa.

Entretanto, Patrick Cockburn, correspondente em Bagdá do jornal britânico Independent, afirma, citando o major-general norte-americano Mark Dempsey, que 40% dos efetivos das forças o de segurança, recrutadas pelos militares estadunidenses, voltaram para casa; enquanto outros 10% mudaram de lado e "atualmente trabalham contra nós". Dempsey, que comanda a 1ª Divisão Blindada dos EUA, baseada em Bagdá, disse que a desintegração dos serviços de segurança foi mais séria do que se admitia anteriormente.

www.vermelho.org.br