Author`s name Pravda.ru

Rússia tem reservas de urânio para 200 anos

As reservas exploradas do urânio na Rússia “alcançarão para 200 anos”, ao ritmo atual de desenvolvimento do setor da energia atômica , disse esta quinta-feira (10) o porta-voz da Agência estatal russa “Rosatom” , Igor Konishev.

“Temos grandíssimos recursos de urânio, ainda que por agora , o elevado preço de custo fazem desvantajosa sua produção”, declarou o representante de “Rosatom”. Rússia prefere importar urânio não enriquecido desde Austrália, Cazaquistão e África do Sul, tendo em conta que em estes países se encontra a baixa profundidade.

“Aqui (na Rússia), pelo contrário , se extrai desde minas, o que supõe o preço de custo maior”, precisou ele. Tradicionalmente, a Rússia mantem uma quota de entre 30 e 40% do mercado do urânio enriquecido e os produtos elaborados a partir daquele. A diferença de outras matérias , urânio no mercado não subiu muito de preço.

O crescimento foi de 20% nos últimos dez anos e, segundo Konishev, mas está prevista uma subida considerável a futuro. A crise no setor energético dá à indústria de energia atômica uma vantagem sobre o setor de hidrocarbonetos. “Com os preços atuais de gás, um quilowatt-hora, gerado em uma planta nuclear, custa 20% menos que um quilowatt-hora, procedente das centrais térmicas”, recordou o porta-voz.