Pravda.ru

Notícias » Sociedade


O Irã visto por um taxista

08.02.2015 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
O Irã visto por um taxista. 21597.jpeg

Jafar Panahi, cineasta iraniano, libertado do prisão mas proibido de sair do país, razão pela qual seu filme Taxi, não teve a costumeira entrevista coletiva dos realizadores com a crítica, foi proibido de filmar. Entretanto, Panahi sempre encontra uma maneira de fazer seu filme, mesmo porque, como consta  de um testemunho próprio escrito, distribuído pelo Festival, filmar faz parte de sua vida.

E acontece aquele paradoxo, sob pressão e proibições os artistas têm melhores inspirações, como ocorreu na nossa época de ditadura. Assim, Panahi, cujos filmes premiados em Locarno e Veneza, incomodavam o governo iraniano a ponto de ter sido preso, continua criativo e cada um de seus filmes ganha premios em Berlim.

Desta vez, Panahi teve a idéia de se transformar num chofer de taxi para colher as impressões de seus usuários. durante o trajeto. Chofer de taxi e barbeiro são os profissionais que concorrem com os psiquiatras, pois seus clientes, valendo-se do fato de serem desconhecidos vistos só uma vez, com eles se desabafam e chegam mesmo a transmitir críticas impossíveis de se colher numa entrevista.

O filme taxi de Panahi tem essa originalidade de se ver, talvez pela primeira vez, um renomado e premiado realizador, tomar o lugar de um chofer de taxi, inclusive com boné, embora acabe tirando. E seus passageiros, mesmo provavelmente programados, vão fazendo suas críticas como passageiros comuns. "Depois da China, é o Irã onde existem penas de morte", diz uma passageira professora, usando seu véu preto sobre a cabeça. Com ligeiras variações de cor, todas as mulheres vistas passando pelas ruas observam a lei corânica e, embora Brasil e Irã sejam parecidos em muitas coisas são totalmente diferentes quanto ao visual feminino, vistas as proibições de mostrar braços e pernas.

A conversa no taxi entre um passageiro favorável, que não declina sua profissão, deixando a impressão de ser alguém próximo do governo, esquenta quando se trata da discussão da aplicação da chariá a lei religiosa que é também o código penal. A conversa era sobre algo um tanto lúgubre, o enforcamento de um casal de ladrões, transmitido pela televisão.

Mais tarde, a passageira é um vendedora de flores, cujo marido advogado está proibido de exercer, não fica claro se participou de processos envolvendo opositores ao governo. E enqaunto o taxi roda, se comenta a recente prisão de uma mulher presa por ter tentado entrar numa competição esportiva.

Panahi interrompe o trajeto de duas senhoras preocupadas com seus peixinhos vermelhors, cujo aquàrio se despedaça numa brecada inesperada do taxi. E vai buscar  
a sobrinha na saída da escola, interessada também em fazer um curta-metragem para uma exibir pela escola. E consultando seu caderno, ela vai dizendo quais são as regras, ditadas por sua professora, para se fazer filmes, um rosário de censuras a serem seguidas pelos realizadores, que felizmente desde Abas Kiarostami, os grandes realizadores iranianos conseguem obedecer mas driblando e criando obras-primas.

É sabido não entrar no Irã os filmes americanos, mas um dos clientes do taxista Panahi é um vendedor de Dvds piratas, como os que se vendem na rua Augusta em Sao Paulo ou na entrada do Mercadão. Panahi acaba comprando um Cd pirata de algum músico local. seria de alguém como o nosso Chico na ditadura?

Enfim, Taxi de e com Jafar Panahi é uma pérola rara, logo no começo do Festival de Berlim, um filme no qual se transmite com o sorriso constante de Panahi, trechos da vida cotidiana e das críticas comuns na boca do povo, quando se vive num país de liberdade controlada.

Rui Martins

 

 
4314
Loading. Please wait...

Fotos popular