Pravda.ru

Notícias » Ciência


Medicamentos com efeitos abortivos sem supervisão médica "são muito perigosos"

28.12.2006 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
Medicamentos com efeitos abortivos sem supervisão médica "são muito perigosos"

A utilização sem supervisão médica do fármaco misoprostol, indicado para problemas de estômago mas que tem igualmente efeitos abortivos, é "muito perigosa", uma vez que pode ser fatal, alertou hoje o presidente do colégio de ginecologia e obstetrícia da Ordem dos Médicos.

Luís Graça reagiu assim à detenção, ontem, de duas pessoas, em Madrid, por venda de misoprostol através da Internet. De acordo com o ministério espanhol da Administração Interna, os detidos venderam doses deste medicamento para várias cidades espanholas e para outros países, incluindo Portugal, onde só pode ser vendido medainte receita médica.

O fármaco em questão é indicado para o tratamento da úlcera péptica e prevenção de lesões gastroduodenais, embora seja usado na indução do trabalho de parto ou no aborto terapêutico.

Uma das reacções adversas deste medicamento é o risco de provocar aborto, sendo, por isso, utilizado para a interrupção voluntária da gravidez. O responsável da Ordem dos Médicos alertou para os perigos deste medicamento que, quando utilizado de uma forma errada e sem supervisão médica, pode causar graves prejuízos para a mulher e até a sua morte.

A este propósito, o especialista lembrou um caso recente em que uma jovem de 14 anos foi hospitalizada e acabou por morrer, depois de ter ingerido, sem qualquer acompanhamento médico, 60 comprimidos de misoprostol. "Este é um medicamento muito activo, que tem de ser ingerido consoante a prescrição e o acompanhamento médicos", disse Luís Graça. Os efeitos secundários podem variar consoante a dose e as características da mulher que os consome, mas pode incluir vómitos, diarreia intensa e o rompimento do útero. Os casos mais graves podem resultar na morte da mulher.

Em 2004, durante a agitada presença junto às costas portuguesas do barco "Borndiep", da associação holandesa Women on Waves, a activista Rebecca Gomperts assumiu num programa de televisão que adquiriu uma embalagem deste medicamento numa farmácia portuguesa.

Por ser de prescrição médica obrigatória, e por Rebecca Gomperts ter reconhecido que o adquiriu sem receita, a Ordem dos Farmacêuticos classificou o caso como "uma ilegalidade" que precisava de ser investigada. Na altura, em declarações à Lusa, o bastonário da Ordem dos Farmacêuticos, Aranda da Silva, afirmou que esta não era uma prática corrente e que "devia ser investigada", mas, um ano depois, o bastonário revelou que não foi possível apurar responsabilidades.

"Contactámos várias entidades a solicitar esclarecimentos e questionámos a activista sobre o local onde terá adquirido o medicamento de uma forma ilegal (sem receita médica, apesar desta ser obrigatória), mas não recebemos qualquer resposta", disse.

Segundo “Lusa”

 
2996
Loading. Please wait...

Fotos popular