Pravda.ru

Notícias » Ciência


Cuba

25.12.2014 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
Cuba. 21324.jpeg

Opinião: Tenho a convicção de que quem escreve não pode se omitir da crônica política.

Assim é o recente fato que envolve Cuba.  Impossível não tecer considerações com o acontecido recentemente. 

Por questões de retaliação, os Estados Unidos e diversos outros países passaram a ver a pequena Cuba como verdadeiro "bicho-papão", lugar de onde poderiam sair todas as maldades que atingissem as Américas.  Tudo isso logo após Fidel Castro ter libertado a ilha das mãos de Fulgêncio Batista, presidente eleito que governava o país ditatorialmente e sem o menor escrúpulo cívico.

            Como em toda vitoriosa revolução armada, os primeiros momentos foram violentos.  Muita gente foi fuzilada, e talvez uns poucos inocentes tenham sido vítimas.  Nunca se sabe com certeza.  Faz parte do processo revolucionário.

            A reação diplomática norte-americana falhou.  Os Estados Unidos tinham muitos interesses econômicos, alguns nada produtivos, como os cassinos.  Jogaram duro e pretenderam manter seus domínios sobre a ilha.

            Ora, o movimento era de libertação.  Logo Fidel passava para o lado da Rússia, então comunista.  O modelo político foi adotado também em Cuba.  De imediato ela se achou isolada comercialmente e de qualquer outro tipo de negócio.

            O país ficou como um satélite russo, dependendo das negociações com o açúcar, praticamente seu único produto de exportação.  Isso durou muitos anos.  Com a queda do Muro de Berlim, a Rússia não tinha mais como apoiar a nação caribenha.  Os investimentos estrangeiros não existiam.  Fidel teimava, como teima até hoje, em convocar eleições livres.  A nação empobreceu demais e hoje Havana encontra-se em estado bastante feio.

            De tempos em tempos, os Estados Unidos têm presidentes audaciosos na boa política externa. Barack Obama foi eleito e reeleito com esperanças, mas é preciso ter noção que dirigir país onde os poderosos dominam é tarefa difícil manter política mais liberal.  Uma das suas metas era resgatar Cuba do seu isolamento.  Através de missões diplomáticas pequenas, dos dois países, as reuniões feitas no Canadá começaram a ganhar corpo.  A entrada do Papa Francisco, com a sua autoridade moral conhecida e indiscutível, foi o elo que faltava para a consolidação do acordo.  É sabido que tanto Obama, como Raúl Castro mantiveram reuniões e contatos com o Papa, advogado da paz no caso.

            O mundo assistiu com prazer a conversa entre Raúl e Obama.  Está estabelecido o início de uma nova era, onde o entendimento vai prosperar, ao que tudo indica.

            Quais os resultados?  Em primeiro lugar, a volta de Cuba à America, o maior continente do mundo, já que abrange os dois hemisférios. 

            Como consequência, a interrupção do bloqueio comercial, o restabelecimento das relações diplomáticas com todos os países americanos, a geração de riquezas que resgatem a beleza cubana e, naturalmente a realização de eleições que podem transformar o comunismo duro em socialismo democrático, provavelmente com regime de gabinete.

            O isolamento jamais construiu nada.     

 

Jorge Cortás Sader Filho é escritor

 

 
4881
Loading. Please wait...

Fotos popular