Pravda.ru

Notícias » Ciência


O jogo virou: Lula "primeiro-ministro"

19.03.2016 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
O jogo virou: Lula

O jogo virou: Lula "primeiro-ministro" 

16/3/2016, Pepe Escobar, RT


Comparada ao que está acontecendo no Brasil, a série "House of Cards" é teatrinho de jardim de infância. 

Apenas três dias depois de massivas manifestações de rua pedindo oimpeachment da presidenta Dilma Rousseff, e menos de duas semanas depois de uma detenção duvidosa, em termos da legalidade, por quatro horas, para 'interrogatório', o ex-presidente Lula do Brasil está de volta, em reestreia espetacular no governo do Brasil, como ministro; de fato, um superministro.

Foi o único movimento que se viu de Rousseff no tabuleiro de xadrez, numa crise política e econômica sem precedentes. Como se pode antever, a presidenta será acusada por todas as frentes - das elitescomprador a Wall Street - de ter 'abdicado' em favor de Lula; e Lula será acusado de estar tentando escapar da investigação de corrupção, que já dura dois anos, chamada "Operação Car Wash".  

Lula e sua protégée Dilma tiveram duas reuniões face a face, de decisões, em Brasília, 3ª-feira à noite e 4ª-feira pela manhã, discutindo em termos detalhados a 'reestreia' de Lula. De início, Lula só aceitaria posto no governo se fosse de Secretário de Governo - encarregado da articulação política; nesse caso, estaria no núcleo mais duro dos que realmente decidem sobre políticas no Brasil.

Mas na sequência, um ministro do governo Dilma, que pediu que seu nome não fosse relevado, apresentou a sugestão de oferecer a Lula o cargo de Ministro da Casa Civil - o ministério politicamente mais importante do Brasil.

O que é certo é que Lula deverá ser uma espécie de 'primeiro-ministro' - o que lhe dá carta branca para mudar drasticamente a vacilante política econômica de Rousseff e reconectar o governo à grande base social do Partido dos Trabalhadores, hoje dispersa e desiludida ante os massivos cortes nos investimentos sociais. Se Lula conseguir isso - e há aí um grande "se" - ele também estará perfeitamente bem posicionado como candidato às eleições presidenciais de 2018 - para desespero do complexo mídia-de-direita+velha elite econômica reinante.

O próximo cargo de Lula, em termos institucionais, combinará coordenar medidas para reiniciar o crescimento, ao mesmo tempo em que trabalhará para realinhar a base do governo dentro do Congresso notoriamente corrompido do Brasil. Com o cargo, a parte da investigação em que o nome de Lula surgiu, da Operação hoje chamada "OperaçãoCar Wash", sai das mãos do juiz de um pequeno tribunal do Paraná e passa a ser conduzida diretamente pela Suprema Corte do Brasil.[1]

The comeback kid? ("O regresso", "Amargo regresso"?) 

Lula tem pela frente tarefa de Sísifo, nada menos. Ninguém pode sequer avaliar o quanto de capital político ainda persistirá associado ao político que já foi o mais admirado governante do mundo (para Obama "Esse é o cara!"). Apenas a vaga possibilidade de Lula ser convidado para integrar o governo ventilada no início da semana bastou para fazer cair a Bolsa de Valores de São Paulo e fazer o dólar norte-americano novamente subir. A luta de Lula contra o Deus Mercado será Matar ou Morrer [High Noon, 1952, Gary Cooper] clássico.

Lula sempre privilegiou orçamentos equilibrados e governo com credibilidade.[2] Por exemplo, ao chegar ao governo do Brasil em 2003, pôs no Banco Central um ex-alto executivo do BankBoston, Henrique Meirelles; e imediatamente passou a trabalhar a favor de um ajuste fiscal, saneando despesas e domando a inflação.  

Lula não é contra algum ajuste fiscal per se - do qual o Brasil muito carece; o problema é que o ajuste feito por Dilma colidiu violentamente contra as classes trabalhadoras brasileiras e classes médias baixas, inclusive com cortes no seguro-desemprego. Lula é essencialmente contrário a punir excessivamente as classes trabalhadoras - o que só faz deprimir sempre mais a economia. A prova de que, em 2003, ele fez a coisa certa - como parte de um bem calculado longo jogo - é que o Brasil crescia 7,5% ao ano em 2010.

Animal midiático imbatível, da alta voltagem de um Bill Clinton em seus grandes dias, Lula também abrirá uma frente de resistência em tempo integral no campo das Relações Públicas - coisa que a presidenta Dilma simplesmente é incapaz de fazer. Quando no governo, Lula sempre explicou suas políticas em termos claros, por exemplo, quando exortou as pessoas a comprarem e usarem o crédito que o estado lhes oferecia. Mas esses foram os bons velhos tempos; hoje, vivemos em ambiente tóxico de não consumo, não investimento e não crédito.

Mesmo assim, é possível que Lula traga Meirelles - favorito de Wall Street -, de volta para o Banco Central. Meirelles já disse que algumas reformas profundamente impopulares são indispensáveis, se o Brasil quiser voltar a ser competitivo.

Todos os olhos na Suprema Corte do Brasil 

O fator Lula como 'virada de jogo' nada tem a ver com virar de pernas para cima todo o complexo tabuleiro de xadrez; mas o tornará o jogo ainda mais imprevisível. O velho complexo jurídico-político-midiático pluselites econômicas ainda no último fim de semana clamavam peloimpeachment de Rouseff. Mas ninguém tem qualquer ideia da cara que o Brasil possa ter depois de algum impeachment.

Na conjuntura atual, um impeachment de Rousseff - que até hoje não foi acusada formalmente pela prática de qualquer crime - traduz-se como "golpe branco". Um dos primeiros atos de Lula 'primeiro-ministro' e negociador categoria máster - logo que assuma o tabuleiro de xadrez, será oferecer uma, alguma - e que outra coisa poderia ser? - algumasolução negociada contra a crise, o que implica que o governo atual permanece governante, incluindo o vice-presidente Temer, cujo partido político, o PMDB, governa também em aliança com o Partido dos Trabalhadores.

Paralelamente, o Advogado Geral do Brasil já reuniu informações sobre o afamado cheirador de cocaína e derrotado nas eleições passadas, 'líder' da oposição de direita, senador Aecio Neves, o qual, dentre outros malfeitos, mantém uma conta ilegal no Liechtenstein, sob o nome da... mãe. Esse certamente será completamente investigado. 

Ao mesmo tempo, a investigação conhecida como "Operação Car Wash", pesadamente politizada, hollywoodianamente coreografada, continuará a atirar por todos os canos, ainda que seus objetivos mais importantes - tirar Rousseff do governo por artes de um impeachment e meter Lula na cadeia - tenham-se tornado hoje consideravelmente mais difíceis de alcançar. Mas a estratégia chave dos autores/atores da "Operação Car Wash" é clara: intimidar praticamente toda a população. 

Os procuradores federais que agem por trás da "Operação Car Wash" querem fazer voar pelos ares qualquer possibilidade de acordo político em Brasília - mesmo que ao preço de lançar o Brasil numa guerra civil misturada com depressão econômica ainda maior.

Também é claro que, se a Suprema Corte do Brasil não policiar efetivamente os incontáveis desmandos da investigação "Car Wash", há possibilidade zero de o Brasil emergir dessa terrível crise político-econômica.

E tudo isso, enquanto o impeachment entra em modo "A volta dos mortos vivos". Institucionalmente, o rito sumário de um processo deimpeachment só pode durar 45 dias. Esse é o tempo que Lula terá para costurar uma grande barganha, provando ao PMDB que o governo Rousseff ter-se-á tornado economicamente viável.

Antes da cartada Lula-Vira-Jogo, falando da ofensiva contra Lula, Dilma e o Partido dos Trabalhadores, o historiador craque Paulo Alves de Lima disse a mim: "Estamos à beira de um novo estágio de uma contrarrevolução em andamento, de uma democracia ainda mais restrita, insuportavelmente inchada de arrogância e violência institucional. Estamos mais perto de Pinochet, do estado ideal consagrado no altar do neoliberalismo Friedmanesco. Estamos à beira do fascismo de massa - o que é grande novidade no Brasil."

O espectro de Pinochet, da direita que se apossa do poder como aconteceu no Brasil em 1964 e no Chile em 1973, pode ser parcialmente exorcizado - por enquanto. Mas que ninguém se engane: os próximos dias serão épicos. O juiz Moro, pseudo Eliot Ness da Operação Car Wash, aliado com o império midiático Globo, farão o diabo para impedir qualquer possibilidade de qualquer novo arranjo político em Brasília a ser construído e negociado por Lula. Porque isso significará não só Lula primeiro-ministro, mas também Lula presidente - outra vez - em 2018. Começa agora guerra total.*****

 


[1] No original "He will be immune from the Car Wash investigation - but he can still be investigated by the Brazilian Supreme Court." Essa informação é imprecisa: Lula não "será imune" a coisa alguma ("imunidade"/"imune" são termos técnicos, com definição em lei e não cabem aqui), nem a investigação é interrompida. Por lei e dado o cargo que ocupará, investigação na qual Lula seja investigado passa a ser dever do Supremo Tribunal Federal. 

              Para avaliar mais corretamente a nova situação, pode-se lembrar que, em situação semelhante, o deputado Eduardo Azeredo, do PSDB, acusado de corrupção e cujo processo, por ele ser deputado, seria obviamente conduzido pelo STF,preferiu renunciar ao posto de deputado, para poder ser julgado em tribunal menor (no qual foi condenado). Com o novo cargo, Lula está se expondo a investigação e julgamento em tribunal maior, federal; sem o ministério, continuaria a ser investigado e talvez julgado pelo pequeno juiz Sergio Moro do Paraná. Adiante, Pepe Escobar comenta essas filigranas [NTs].

[2] Ver também o que escreveu o embaixador MK Bhadrakumar, que refletiu essa semana sobre a crise brasileira: "Lula do Brasil e a Esquerda da Índia", 10/3/2016,MK Bhadrakumar, Indian Punchline, traduzido no Blog do Alok [NTs].

 

 
12473
Loading. Please wait...

Fotos popular