Pravda.ru

Notícias » Federação Russa


Polícia mexicana é denunciada em novos casos de execuções extrajudiciais

23.11.2015 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
Polícia mexicana é denunciada em novos casos de execuções extrajudiciais. 23297.jpeg

06 de janeiro de 2015, cidade de Apatzingán, Estado de Michoacán, México. Pelo menos oito civis morreram após um enfrentamento com a polícia federal. 22 de maio deste mesmo ano, cidade de Tanhuato, Michoacán: 42 civis e um policial morreram durante uma invasão da polícia federal mexicana a uma chácara. Segundo aponta a organização internacional Human Rights Watch (HRW), nos dois casos, há indícios de que houve execuções ilegais.

Paulo Emanuel Lopes

Adital

Apatzingán, México; Dia de Reis

As vítimas de Apatzingán faziam parte de um grupo armado de autodefesa cidadã, formado com apoio do próprio governo, que havia legalizado suas armas, incorporando-os, oficialmente, às forças de segurança locais. O grupo teria o objetivo de 'caçar' o chefe do cartel Cavaleiros Templários, Servando Gómez, conhecido como "La Tuta".

Na madrugada de 06 de janeiro deste ano, o grupo encontrava-se de vigília em frente ao Palácio Municipal da cidade, provavelmente, em protesto contra o desmantelo das organizações populares; ou pressionando o governo federal para que intensifique seus esforços contra os cartéis do narcotráfico, que atuam na região.

Em nome do governo, Alfredo Castillo, então comissionado de Segurança para o Estado de Michoacán, afirmou que houve "fogo cruzado" entre os dois grupos, tendo as mortes sido provocadas pelas armas das próprias vítimas. Um vídeo foi apresentado como prova de que os policiais haviam sido atacados, respondendo em legítima defesa. O número de vítimas pode ter chegado a 16.

Tanhuato: mais de 40 vítimas em um provável abuso de poder

As 42 mortes ocorridas no município de Tanhuato seriam consequência de um enfrentamento de três horas entre a polícia federal mexicana e um grupo criminoso, declarou à imprensa, apenas algumas horas após o incidente, Monte Alejandro Rubido, então representante da Comissão Nacional de Segurança mexicana. O grupo de criminosos teria atuação no Estado de Jalisco, vizinho a Michoacán.

Em nome do governo federal, Rubido rechaçou a hipótese de que houve execuções extrajudiciais.

HRW questiona investigação oficial

Após oito meses utilizando o vídeo como "prova" da agressão sofrida pelos policiais, em Apatzingán, a HRW teve acesso ao material, que foi fornecido pela Secretaria de Governo do México. Entretanto, "nesse vídeo, não se veem civis atacando policiais, e os civis que aparecem nele [no vídeo] não portam armas de fogo", testemunha o organismo de defesa dos direitos humanos.

Um jovem de 19 anos, vítima e testemunha do caso Apatzingán, afirmou à HRW que a polícia federal disparou contra os civis, que não estavam armados. Dois deles teriam sido baleados na cabeça, enquanto se encontravam no solo tentando se proteger, tendo a polícia colocado, em seguida, armas junto aos seus corpos. Uma declaração escrita de outra testemunha, bem como uma entrevista gravada com um jornalista, corroboram essa versão. Um médico, que atendeu aos envolvidos no incidente, declarou à imprensa que alguns policiais teriam impedido que os feridos recebessem atendimento médica.

Um investigador de direitos humanos afirmou à HRW que, embasado em entrevistas feitas com três testemunhas do caso Tanhuato, após o tiroteio inicial, vários policiais teriam disparado contra pessoas que tentavam fugir do lugar, ou que já estavam sob custódia policial.

"Se bem que o governo insista que a polícia atuou corretamente em ambos os casos, os fatos relatados pelas testemunhas claramente sugerem que houve execuções extrajudiciais", afirma Daniel Wilkinson, diretor da divisão de Américas para a HRW. "Ante as evidências de que foram cometidas atrocidades, a resposta do governo continua baseada em negar ou diminuir a importância do problema. É a mesma atitude que observamos, no ano passado, diante dos casos Ayotzinapa e Tlatlaya", insiste Wilkinson.

Mais de nove meses após os crimes de Apatzingán e cinco após os de Tanhuato, nenhum policial foi indiciado por atuação indevida nos dois eventos.

Com informações de Univision, Animal Político e HRW

Assista a uma reportagem sobre a violência em Michoacán:

Paulo Emanuel Lopes

Colabora com ADITAL.

in

 

 
5254
Loading. Please wait...

Fotos popular