Pravda.ru

Notícias » Federação Russa


Síria: Confusão na Conferência Genebra-2

23.01.2014 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
Síria: Confusão na Conferência Genebra-2. 19659.jpeg

Ainda não se conhece a história toda por trás disso, mas parece que o secretário-geral da ONU Ban Ki-Moon criou colhões repentinamente e, agora, os EUA tentam novamente capá-los.

Ban Ki-Moon convidou, parece que contra a vontade dos EUA, o Irã, para participar das conversas de Genebra-2 sobre a Síria.


"Decidi distribuiu alguns convites adicionais para a reunião de um dia em Montreux. São eles: Austrália, Bahrain, Bélgica, Grécia, a Santa Sé, Luxemburgo, México, Países Baixos, República da Coreia e Irã. Acredito que a presença internacional expandida naquele dia será mostra importante e útil de solidariedade antes do duro trabalho que o governo sírio e delegações da oposição iniciarão dois dias depois em Genebra.

Como já disse repetidas vezes, creio fortemente que o Irã tem de ser parte da solução da crise síria.

Falei longamente nos últimos com o ministro de Relações Exteriores do Irã Sr. Javad Zarif. Ele assegurou-me que, como todos os demais países convidados para o dia da abertura das discussões em Montreux, o Irã compreende que a base das conversações é a plena implementação do Comunicado de Genebra de 30/6/2012, inclusive do Plano de Ação.

O ministro Zarif e eu concordamos que a meta das negociações é estabelecer, por consentimento mútuo, um corpo provisório de governo de transição, com plenos poderes executivos. Foi nessa base que o ministro Zarif prometeu que o Irã desempenhará papel positivo e construtivo em Montreux.

Assim, como anfitrião e organizador da Conferência, decidi enviar um convite para que o Irã participe."[1]

Não há praticamente coisa alguma que se possa dizer contra o Irã participar da Conferência. Se até México e Luxemburgo foram convidados (e para quê?!), o Irã, muito mais envolvido no conflito, evidentemente merece ter lugar à mesa. É até necessário que lá esteja, porque qualquer acordo que saia de Genebra-2 exige a concordância do Irã (sem isso, o Irã fica livre para sabotar qualquer acordo, caso queira fazê-lo).

Mas o Departamento de Estado dos EUA quer agora detonar a conferência, na qual tem pouco a ganhar, e inventou de impor condições, as mesmas que Ban Ki-Moon, com sua escolha cuidadosa das palavras, tentou deixar de fora:

"Os EUA veem o convite do secretário-geral da ONU ao Irã, para que participe da próxima conferência de Genebra como condicionado a uma declaração do Irã de que explícita e publicamente apoioa a plena implementação do Comunicado de Genebra, inclusive a criação de um corpo de governo transitório, constituído por consentimento mútuo com plenas autoridades executivas. É algo que o Irã jamais fez publicamente e algo que nós há muito tempo dizemos claramente que é indispensável."[2]

O ministro de Relações Exteriores do Irã respondeu que, uma vez que o Irã não participou da conferência Genebra-1, não se pode pressupor nem esperar que o Irã aceite todos os resultados daquele encontro.[3]

Sob pesada pressão dos EUA, os estrangeiros patrocinados por estrangeiros que são a oposição Síria no exílio concordaram,[4] com menos da metade dos 'membros' votando sim, com comparecer a Genebra. Agora, encontraram uma razão para voltar atrás; e lançaram um ultimato a Ban Ki-Moon, para que 'desconvidasse' o Irã, ou a 'oposição' se retiraria da conferência. Ban Ki-Moon está exposto demais. Não é admissível que deixe um bando de doidos que nada são ou representam, ditar a política da ONU. Ignorará a tal 'oposição'. Caberá aos EUA assumir a 'oposição' em Genebra.

Apesar de o governo sírio ter concordado há muito tempo com estar presente em Genebra, o presidente Assad, em entrevista publicada hoje,[5] deixou novamente claro que não renunciará nem deixará que a 'oposição' financiada por estrangeiros tome conta da Síria:

"O presidente Bashar al-Assad da Síria disse que há "significativa" probabilidade de que concorra a novo mandato e descartou qualquer tipo de partilha do poder com a oposição que tenta derrubá-lo, em entrevista exclusiva à Associated France Press, antes do início das conversações de Genebra.

Falando no domingo, do palácio presidencial em Damasco, Assad disse que entende que a guerra síria prosseguirá.

Disse que as conversações previstas para começar na 4ª-feira em Montreux, Suíça, devem focar-se no que chamou de sua 'guerra contra o terrorismo'."

Foco contra o terrorismo é agora também o objetivo dos governos 'ocidentais' que tentaram derrubar Assad. A Síria é hoje um campo de treinamento para  vários grupos e subgrupos que, mais dia menos dia, voltarão aos seus países de origem, e criarão problemas.[6]

Até os EUA precisam que Assad permaneça no governo da Síria.[7]

Dois carros-bomba explodiram hoje num posto de fronteira entre Síria e Turquia, o último ainda não oficialmente controlado pelo grupo ISIS ligado à al-Qaeda. Os ataques obrigam os turcos a não esquecer que eles também enfrentam problema gigante.[8] Mais uma descoberta de armas contrabandeadas[9] por funcionários da inteligência turca para jihadistas faz aumentar a pressão sobre Erdogan, para que encontre saída rápida para aquela situação.

Assim sendo, todos, exceto talvez o Qatar e a Arábia Saudita, estão à procura de algum modo para deixar Assad no governo da Síria, pelo menos por enquanto, para que expulse da Síria os terroristas.

Mas o ataque dos EUA contra a conferência de Genebra-2, por causa da participação do Irã, torna ainda mais difícil para quem está de fora ter qualquer influência sobre o que se passa na Síria.

As lutas internas que acontecem entre vários grupos extremistas dentro da Síria ajudou o governo sírio a obter considerável avanço militar em campo, em Damasco e arredores[10] e em Aleppo.

Se Genebra-2 não acontecer, ou se fracassar, quem menos perde é o governo do presidente Assad.

******************************************


________________________________________
[1] 19/1/2014, http://www.un.org/sg/offthecuff/index.asp?nid=3251
[2] 19/1/2014, http://m.state.gov/md220043.htm
[3] 30/6/2012 (texto do Comunicado final de "Genebra-1") (ing.), http://www.un.org/News/dh/infocus/Syria/FinalCommuniqueActionGroupforSyria.pdf
[4] 18/1/2014, McClartchy, EUA, http://www.mcclatchydc.com/2014/01/18/215015/divided-syrian-opposition-agrees.html
[5] 21/1/2014, AFP, entrevista de Assad, em Damasco, dia 19/1/2014,  https://www.google.com/hostednews/afp/article/ALeqM5i8dCOYdukO6x1B9DEE07mFAWg9_A?docId=204db838-90ac-4881-903f-bca04f68b71f&hl=en
[6] 19/1/2014, Telegraph, UK, http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/middleeast/syria/10582945/Al-Qaeda-training-British-and-European-jihadists-in-Syria-to-set-up-terror-cells-at-home.html
[7] 20/1/2014, Boston Globe, EUA, http://www.bostonglobe.com/news/world/2014/01/20/rebels-joining-syrian-talks-but-assad-won-depart-soon/X8AjHSy2BN5PqImslILBHP/story.html
[8] 20/1/2014, Hurriyet Daily, Turquia, http://www.hurriyetdailynews.com/ten-killed-by-twin-bombs-at-syria-turkey-border-post.aspx?pageID=238&nID=61324&NewsCatID=352
[9] 20/1/2014, Hurriyet Daily, Turquia, http://www.hurriyetdailynews.com/turkeys-akp-angered-over-breach-of-authority-in-search-of-intel-trucks-near-syria.aspx?pageID=238&nID=61279&NewsCatID=338
[10] 19/1/2014, Hurriyet Daily, Turquia, http://www.hurriyetdailynews.com/turkeys-akp-angered-over-breach-of-authority-in-search-of-intel-trucks-near-syria.aspx?pageID=238&nID=61279&NewsCatID=338


20/1/2014, Moon of Alabama - http://www.moonofalabama.org/

 
9173
Loading. Please wait...

Fotos popular