Pravda.ru

Notícias » Federação Russa


Rússia foi a pioneira dos Direitos da Mulher

08.03.2010 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 

Segunda-feira 8 de Março é o 100º aniversário do Dia Internacional da Mulher, um feriado nacional na Rússia (desde 1965) comemorando as vitórias notáveis das mulheres para garantir os direitos humanos apesar de constantes restrições. O Dia Internacional da Mulher serve como um ponto focal para nós, para documentar os desafios actuais e futuros enfrentados pelas mulheres e conjugar recursos para implementar os direitos das mulheres numa escala global. Surpreendente é que seja necessário tal dia.


“Os espancamentos estavam ficando cada vez mais graves. No começo estava confinado à casa. Aos poucos ele parou de se importar. Ele me batia na frente dos outros e continuou a ameaçar-me. Toda vez que ele me bateu, era como se ele estava tentando testar minha resistência, para ver o quanto eu poderia aguentar".(1)


História do Dia Internacional da Mulher
O Dia Internacional da Mulher começou nos Estados Unidos da América, lançado por uma declaração do Partido Socialista da América em 28 de fevereiro de 1909 utilizando como base a necessidade de garantir os direitos das mulheres em uma sociedade cada vez mais industrializada e foi assumida pela comunidade internacional na primeira Conferência Internacional da Mulher em Copenhaga, na Dinamarca, em 1910. As condições horríveis e desumanas na fábrica Triangle Shirtwaist em Nova York, que causou a morte de 140 trabalhadores de vestuário (principalmente mulheres) em 1911, deram um novo ímpeto no momento em que as mulheres estavam pressionando para o direito de voto. Manifestações na Rússia antes da Revolução de 1917 foram os primeiros sinais de emancipação das mulheres naquele país, que culminou com a declaração por Lênin de um Dia da Mulher, em 8 de Março; em 1965 foi declarada feriado pelo Presidium do Soviete Supremo.

"O abuso emocional é pior. Você pode ficar louco quando você é constantemente humilhada e disse que você é inútil, você não é nada"(2)


Por que 8 de março?
As mulheres tinham manifestado pelos seus direitos desde tempos pré-clássicos (por exemplo, a greve sexual chamado por Lisístrata na Grécia Antiga, a Marcha em Versalhes pelas mulheres parisienses pedindo "Liberdade, Igualdade, Fraternidade" na década de 1790). Copenhaga tinha escolhido a data de 19 de março para a celebração de um Dia Internacional da Mulher, mas em 1913, as mulheres russas escolheram o último domingo de fevereiro (seguindo a declaração do Partido Socialista da América em 1909) como a data para o seu Dia Internacional da Mulher, para pedir paz nas vésperas da Primeira Guerra Mundial. Costumes primaveris de dar as primeiras flores para as mulheres teriam contribuído para, nos fins de Fevereiro/início de Março, ser a época do ano observada pelos movimentos feministas, até que em 1917, as mulheres russas convocaram uma greve no último domingo de fevereiro para protestar contra a Guerra (dia 23 de Fevereiro), no calendário Juliano, 8 de março no gregoriano.


"Meu marido me bate, faz sexo comigo contra a minha vontade e eu tenho que obedecer" (3)


Dando continuidade ao impulso
Depois de ter sido considerada " estúpida demais para ter o direito de voto", durante o último século, as mulheres se levantaram pelos seus direitos e conquistaram vitórias, culminando no direito de voto e na obtenção de direitos iguais em um amplo espectro de atividades profissionais.

"Eu pego num cobertor e passo a noite com os meus filhos lá fora no frio, porque ele está a bater-me muito e eu tenho que levar as crianças para que ele não as bata muito" (4)


No entanto, é preciso que muito mais seja feito e diz tudo que, cem anos passados, ainda estamos confrontados com estatísticas destas:
As m ulheres são donas de apenas um por cento dos bens do mundo, ganham 10% da renda, ainda executam 66% do trabalho, produzem 50% dos alimentos;
As mulheres têm que trabalhar mais horas do que os homens para receber o mesmo rendimento;
As mulheres estão concentradas em empregos precários no setor informal e são muito mais vulneráveis ao desemprego;


Estatísticas Inaceitaveis
Como podemos afirmar que atingimos um estado coletivo de civilização quando somos confrontados com estatísticas como estas?
A OMS realizou um estudo em dez países e descobriu que entre 15 e 71% das mulheres relataram violência física ou sexual cometida por um marido ou companheiro;


Para a faixa etária 15-44, a violência faz mais vítimas entre as mulheres do que câncer, malária, acidentes de trânsito e a guerra;
Até 40% das mulheres em alguns países, declararam que seu primeiro encontro sexual não foi consensual;
Há 5.000 crimes de honra cometidos por ano;
20% das mulheres sofrem abuso sexual em todo o mundo enquanto crianças;
Na África do Sul, uma mulher é morta a cada 6 horas por um parceiro íntimo, na Índia, 22 mulheres são assassinadas por dia em incidentes relacionados com a dote, muitas vezes são queimadas vivas;
80% das vítimas do tráfico humano são mulheres;


Entre 100 e 140 milhões de meninas foram vítimas de mutilação genital feminina, 3 milhões de meninas por ano são submetidas a este ato horrível de intrusão;
Há 60 milhões de raparigas por ano submetidas a casamentos forçados enquanto crianças;
Mundialmente, 25% das mulheres grávidas são submetidas a abuso físico ou sexual (incluindo murros e pontapés no abdómen);
40 a 50% das mulheres na UE têm experiências de assédio sexual no trabalho;
83% das meninas na E.U.A. sofreram alguma forma de assédio sexual em escolas públicas (5)


Conclusão
Se afirmarmos que os direitos das mulheres foram atingidos e ignorarmos os fatos apresentados acima (uma minúscula amostra do registo de terríveis abusos sexistas), então estamos a admitir que vivemos numa sociedade global injusta, fraca e impotente, que em mais de cem anos de esforços concertados para definir os direitos das mulheres e colocá-los em pé de igualdade com os homens, ainda não conseguimos criar estruturas universais e globais.


Enquanto uma das funções biológicas da mulher é carregar o filho durante a gravidez (se ela assim o desejar), como podemos dizer que chegámos a qualquer auge do sucesso se o direito ao emprego é em muitos casos sujeito ao preceito de que a mulher não vai ter filhos e quando poucas sociedades em todo o mundo criaram os mecanismos financeiros para as mulheres terem uma plena vida profissional no exercício das suas funções escolhidas como esposas e mães, para além de garantir o seu direito à inviolabilidade da sua integridade física?

(1) ONU: Licenciada tailandesa
(2) ONU: Mulher entrevistada na Sérvia / Montenegro
(3) ONU : Mulher entrevistada em Bangladesh
(4) ONU: Mulher entrevistada no Peru
(5) American Association of University Women. 2001.


Lisa Karpova
Timothy BANCROFT-HINCHEY
PRAVDA.Ru

 
7384
Loading. Please wait...

Fotos popular