Pravda.ru

Notícias » Mundo


Plano Pax-Colômbia: Nem um dólar para combater o paramilitarismo

24.02.2016 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
Plano Pax-Colômbia: Nem um dólar para combater o paramilitarismo. 23844.jpeg

Plano Pax-Colômbia: Nem um dólar para combater o paramilitarismo

Num ato imperial e arrogante, os Estados Unidos se ab-rogaram o direito de definir inconsultavelmente a continuidade do contra insurgente Plano Colômbia, chamado agora pelo presidente Barack Obama de: "Pax Colômbia". Tudo parece indicar que o presidente Juan Manuel Santos e o ex-presidente Pastrana Arango nem sequer puderam insinuar a mudança de uma vírgula. O 10 de fevereiro de 2016 passará à história como o dia da extrema submissão, como o dia da extrema subordinação a Washington.

Por Nelson Lombana Silva

Pax Colômbia certamente não será para aclimatar a paz com justiça social como se vem discutindo na mesa de Havana, continuará sendo com certeza um plano contra insurgente, um plano imperialista e criminal como tem sido até agora.

Chama poderosamente a atenção que nos itens que assinalam como se investirá os 450 milhões de dólares, se são aprovados pelo Congresso, não se registra um dólar para combater ou desarticular o Paramilitarismo em Colômbia.

É um sinal inequívoco de que os Estados Unidos não estariam interessados em que o Paramilitarismo desaparecesse deste país sul-americano. A mensagem é dolorosa, porém clara e inexorável.

O preocupante é que com certeza este não é um esquecimento infeliz ou fortuito. Pelo contrário. Tudo parece indicar o interesse imperialista dos Estados Unidos de não variar um milímetro a política da doutrina nacional e a eliminação do inimigo interno à ponta de terrorismo de Estado.

Estados Unidos é o verdadeiro criador da política suja paramilitar. Um documento secreto deste país de 3 de 1962, o presidente John F. Kennedy, assinala: "Consideramos que [...] se deve realizar um esforço combinado por toda a equipe do país [Colômbia] a fim de selecionar pessoal civil e militar com vistas a um treinamento clandestino em operações de resistência, [...] e, na medida em que seja necessário, executar atividades Paramilitares, de sabotagem e/ou terroristas contra partidários do Comunismo conhecidos. Os Estados Unidos devem apoiar isto".[i]

Por sua parte, o documento secreto da CIA, Santa Fé I, 1980, apresenta na proposta número 3 a vinculação militar com o treinamento e as ajudas técnicas e psicológicas aos militares americanos, especialmente aos oficiais e suboficiais jovens.

Diz textualmente: "Reativar, como o terceiro elemento de nosso sistema hemisférico de segurança, nossas tradicionais vinculações militares no treinamento militar e ajudar as forças armadas do continente americano, com uma ênfase particular nos oficiais mais jovens e nos suboficiais. Oferecer ajuda técnica e psicológica a todos os países este hemisfério em sua luta contra o terrorismo, independentemente da origem deste último".[ii]

Assim, as forças militares colombianas foram educadas na Escola das Américas na política da Doutrina nacional inspirada no inimigo interno. As cifras são eloquentes: entre 1998 e 2008, 72 mil militares colombianos são treinados por militares estadunidenses e 7 mil recebem instrução diretamente nos Estados Unidos, assinala Renán Vega Cantor.

O apoio da CIA e das Forças Especiais dos Estados Unidos aos grupos paramilitares foi a ferramenta que lhes permitiu se consolidarem. Assinala Renán Vega Cantor: "Entre 1988 e 2005, o aumento de ajuda militar à Colômbia incrementa em 138 por cento anual os ataques de paramilitares".[iii]

Se pode entender, então, porque se movem livremente pelas brigadas, quartéis e pelo território colombiano. No massacre de Mapiripán apresentado em 1997, os paramilitares atravessam meio país comodamente em avião, aterrissam no aeroporto militar de San José del Guaviare, onde funciona, precisamente, uma base antinarcótico dos Estados Unidos, sem que lhes ocorra absolutamente nada.

Assim as coisas, Estados Unidos não é uma simples influência externa, tem um conteúdo maior que hoje o responsabiliza pela tragédia de violência que esta país sul-americano vive.

A propósito, assinala Renán Vega Cantor: "Estados Unidos não é uma mera influência externa, mas sim um ator direto do conflito, devido a seu prolongado envolvimento durante grande parte do século XX". Acrescenta: "A relação Estados Unidos - Colômbia é de subordinação ao se considerar dotado de uma superioridade política, econômica, cultural e moral. É uma relação desigual e assimétrica assumindo um caráter estratégico".[iv]

Os Estados Unidos, desde 1825, assumiram que este continente é de sua propriedade. Se impôs a política imperialista do presidente gringo James Monroe de "América para os americanos". [Leia-se melhor: América para os Estados Unidos]

No marco desta política imperialista, dominação absoluta, desenvolveu atividades ilegais e encobertas como a guerra suja contra os povos, utilizando, entre outras artimanhas, o Paramilitarismo, aproveitando a pusilanimidade da classe dirigente nacional.

Conhecendo estes antecedentes, não é raro nem fortuito que no Plano Colômbia, primeiro, e agora PaxColômbia, os Estados Unidos não disponham de um dólar para acabar com este flagelo do Paramilitarismo em Colômbia. Não é uma simples coincidência, é uma terrível e inexorável realidade que o povo colombiano deve dimensionar claramente para assumir uma postura consequente com o desejado sonho da paz que vem pairando a partir da mesa de Havana [Cuba].

 

 
6541
Loading. Please wait...

Fotos popular