Pravda.ru

Notícias » Mundo


Três derrotas da mídia servil aos EUA

21.02.2013 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
Três derrotas da mídia servil aos EUA. 17909.jpeg

Por Altamiro Borges

A mídia colonizada do Brasil, que mais parece uma sucursal rastaquera do Departamento de Estado dos EUA, sofreu três duras derrotas neste início de semana. O presidente Hugo Chávez, que os abutres da velha imprensa já davam como morto, retornou à Venezuela e foi saudado por milhares de pessoas. Rafael Correa, outro satanizado pela mídia, foi reeleito com folga no Equador. Por último, a "blogueira" cubana Yoani Sánchez, marionete dos EUA, chegou ao Brasil e foi desmascarada nas ruas e nas redes sociais.

A volta de Hugo Chávez, após dois meses de tratamento do seu câncer em Cuba, frustrou os barões da mídia. Eles juravam que o líder bolivariano não retornaria ao país. Acreditaram piamente nas informações dos agentes da sinistra CIA de que o presidente venezuelano sobrevivia apenas por aparelhos. A grotesca foto do jornal espanhol El País, com Hugo Chávez entubado, foi replicada pela mídia nativa. Merval Pereira, o "imortal", já havia anunciado a sua morte no ano passado, antes das eleições presidenciais de outubro.

Com base nessas informações falsas e macabras, a mídia mundial e nacional fez intensa campanha para anular o resultado do pleito de outubro passado, que garantiu mais um mandato para Hugo Chávez de forma consagradora. O intento era criar o clima para uma nova tentativa de golpe na Venezuela. A iniciativa não vingou graças ao apoio de milhões de venezuelanos, que lotaram as ruas de Caracas no dia da posse. "O povo tomou posse" no lugar de Hugo Chávez, que agora volta ao país para se recuperar do tratamento.

Por sua vez, a vitória de Rafael Correa era esperada pela mídia colonizada. Todas as pesquisas apontavam que ele venceria facilmente o ex-banqueiro Guillermo Lasso, da seita fascista Opus Dei, e os outros sete concorrentes. Tanto que a imprensa, sempre seletiva, evitou dar destaque para a eleição no Equador - como se o país vizinho não existisse. Com a conquista de quase 58% dos votos e a reeleição já no primeiro turno, a mídia servil apenas lamentou a vitória do "inimigo" dos EUA e da "liberdade de imprensa".

O bombardeio contra Rafael Correa deve se intensificar agora. Com a fácil reeleição e a conquista da maioria no Congresso Nacional, o líder equatoriano já anunciou que a sua prioridade é a aprovação da "Ley de Medios" no país. Nas suas primeiras entrevistas, ele fez questão de afirmar que os maiores derrotados nas eleições foram "a oligarquia financeira e os donos dos meios de comunicação". O projeto de regulação democrática da mídia, antes barrado, agora deve ser aprovado pelo parlamento. A gritaria midiática será infernal.

Por último, no que se refere à visita ao Brasil da "blogueira" Yoani Sánchez, o show armado pelo império e por sua mídia servil não deu os melhores frutos. O script previa que a diretora "imposta" pelo antro patronal da Sociedade Interamericana de Prensa (SIP), com um salário de US$ 6 mil, fosse a estrela da campanha mundial contra a revolução cubana. Os jornalões garantiram generosos espaços; as revistonas, em especial a Veja, não param de falar na "blogueira independente"; e as emissoras de tevê a seguem por todos os cantos.

Mas o show midiático, que esconde as origens e as ideias da "principal dissidente cubana", foi ofuscado nas redes sociais e nas ruas. De forma legítima, grupos de manifestantes protestaram contra Yoani Sánchez na sua chegada ao Recife, no seu deslocamento para Salvador e na sua viagem ao interior da Bahia. A mesma mídia colonizada, que já estimulou protestos contra líderes mundiais desafetos dos EUA, agora censurou as legítimas manifestações contra a "blogueira" financiada e manietada pelo império.

Com mais essas três derrotas na América Latina, a mídia servil aos EUA só tem a apresentar como trunfos aos seus ingênuos seguidores os golpes em Honduras e no Paraguai, a eleição fraudulenta no México e a manutenção do governo terrorista da Colômbia. A região continua se movendo de forma progressista, apesar de todos os percalços e dificuldades. Ela se firma como polo contra-hegemônico ao neoliberalismo e ao imperialismo ianque, o que causa desespero nos barões da mídia.

 

 
5020
Loading. Please wait...

Fotos popular