Pravda.ru

Notícias » CPLP


A perda de Alencar

30.03.2011 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 

 

A perda de Alencar

Desaparece do cenário político brasileiro José  Alencar, ex-vice-Presidente da República.

            Quase aos oitenta anos, vitimado por um mal que o homem não controla, o insidioso câncer maltratou o sorridente Alencar, que durante a era Lula foi presidente mais de um ano, devido as viagens do titular do cargo.

            Rico e simples, inteligente e sobretudo honesto com os outros e consigo mesmo, basta ver a atitude que tomou frente à doença que o obrigou a dezessete cirurgias, mas não o derrubava moralmente: "tenho medo é da falta de compostura", costumava dizer.

            Assim procedeu ao longo da carreira política.  Quando era candidato, acompanhando Lula num comício, foi vaiado por falar no discurso contra o MST, que andava e anda cometendo exageros, sem lutar verdadeiramente por um ideal.  Diante da vaia, o velho mineiro mostrou a sua classe: "aceito as vaias.  Estamos numa democracia, todos têm o direito de se manifestar."

            Foi o que bastou para se tornarem aplausos.  Não fez jogo de cena, era um homem autêntico e suas palavras assim soaram.  O convencimento do povo, aplaudindo, aceitou a verdade do bem-humorado Alencar.

            Lendo as notícias sobre o seu falecimento, vi uma que me chamou a atenção.  Gostava, em Belo Horizonte, de ir a um bar comer almôndegas ao molho de tomate, torresmo e tomar umas cervejas, com alguns goles de cachaça bem feita.  Tem a fotografia da garrafa. 

            O doutor Ulisses popularizou no Brasil a poire, aguardente de pêra, e seu colega em simpatia e inteligência, acabou de promover a marca.  Sim, porque a cachaça já é uma tradição brasileira.

            Vai em Paz, José  Alencar.  O solo pátrio vai receber o corpo de um homem honrado.

 

Jorge Cortás Sader Filho é escritor

 

 
2667
Loading. Please wait...

Fotos popular