Pravda.ru

Notícias » CPLP


Israel fortalece propaganda sionista no meio acadêmico dos EUA

11.12.2013 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
Israel fortalece propaganda sionista no meio acadêmico dos EUA. 19384.jpeg

Israel fortalece propaganda sionista no meio acadêmico dos EUA

 

A instrumentalização do âmbito acadêmico para propagar o ideal sionista que sustenta o Estado de Israel tem permeado diversos comentários relativos ao conflito regional. O país estende sua agenda a diversas instituições de ensino para, além da propaganda, espalhar a maquinaria da "segurança" e da "Defesa" que sustenta a ocupação. Foi o que aconteceu neste fim de semana, no Fórum Saban, nos EUA, em que participou o premiê Benjamin Netanyahu.

 

Por Moara Crivelente, da redação do Vermelho

A responsabilidade internacional para com a ocupação israelense sobre os territórios palestinos está também no setor do conhecimento, como já tem se comprovado repetidamente. Instituições de pesquisa e de ensino superior são intimamente relacionadas com agências de inteligência e espionagem, como o Shin Bet israelense, e com o próprio Ministério da Defesa.

Isso, para não mencionar grupos de pressão, ou lobbies, que empreendem uma política ativa de propaganda do sionismo e deslegitimação da causa palestina, sobretudo através da correlação constante entre o Islã e o terrorismo, tema de peso para os Estados Unidos.

Programas conhecidos como o Birthright levam estudantes de origem judia dos EUA para Israel, oferecem a integração ao projeto sionista ou a alternativa de participação da comunidade judia que atua por esta causa colonialista em diversos países.

Nos Estados Unidos, assim como no Reino Unido, grupos expressivos foram formados em diversos campi universitários para propagar e atuar como advogados do sionismo, e parcerias "estratégicas" são estabelecidas entre instituições norte-americanas e israelenses no setor securitário, do direito e do estudo sobre o contraterrorismo.

A instrumentalização do direito internacional pelas autoridades israelenses é bastante avaliada, sobretudo no setor de Defesa - assistido por uma "advocacia-geral" empenhada em responder às críticas internacionais sempre com base na autodefesa, quando Israel decide lançar alguma grande operação militar que resulta na morte de "demasiados" civis.

De acordo com Sarah Marusek, em artigo para o portal Middle East Monitor, é neste sentido estabelecida uma parceria entre a Universidade de Syracuse, nos EUA, em que a autora cursa o doutorado, e a Universidade de Herzliya, em Israel, focada na elaboração de críticas e propostas sobre uma nova interpretação do direito internacional. A universidade israelense conta com conexões importantes com o governo e com o setor militar, e o diretor do seu Centro Interdisciplinar, onde os estudos são realizados, é o ex-chefe do Shin Bet , Shabtai Shavit.

Toma força, assim, a campanha internacional pelo boicote acadêmico a Israel, uma vez comprovada a complexa rede de influências da força política, militar e religiosa do sionismo sobre a academia, tanto israelense quando estadunidense. A questão permeia setores do conhecimento que se estendem à Defesa em geral; à indústria militar e empresas de segurança diretamente ligadas à ocupação; ao direito internacional e, inclusive, às pesquisas arqueológicas, muitas usadas para manipular as reivindicações palestinas e judias de "pertença" ao território, de acordo com críticos palestinos.

Fórum Saban por Israel

O Fórum Saban deste ano, e que aconteceu neste fim de semana, foi intitulado "Mudança de Poder: As Relações dos EUA com Israel em um Oriente Médio Dinâmico". A realização é do Instituto Brookings, um expressivo centro de pesquisas e formulação de políticas, e o foco da programação incidiu sobre as participações extensas do recém-reintegrado ao cargo de chanceler de Israel, Avigdor Lieberman, do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, do secretário de Estado norte-americano John Kerry e do presidente Barack Obama.

         

  Presidente Barack Obama participa do Fórum Saban, em conversa com Chaim Saban, realizado pelo Instituto Brookings. (Foto: Instituto Brookings)

Patrocinador e "apresentador" do fórum, Chaim Saban é um israelense-estadunidense de origem egípcia, classificado como "magnata da mídia" dos EUA, fundador da companhia Saban Entertainment. Para quem se atenta à ligação do lobby judeu pró-israelense com a indústria midiática, está aí um exemplo da sua abrangência.

Em um artigo de 2010, a revista New Yorker cita Saban em sua "preocupação de proteger Israel". Para ele, a fórmula para fazê-lo é através da influência sobre a política estadunidense, que inclui três vetores principais: fazer doações aos partidos políticos - o que explica suas consistentes contribuições tanto a republicanos quanto a democratas -, estabelecer institutos de formulação de políticas, ou "think-tanks", e controlar meios de comunicação.

A descrição do evento é a que segue, e resume a abrangência da agenda política estadunidense favorável às pretensões israelenses: "O Fórum de 2013 examinou as mudanças políticas que se desenrolam em todo o Oriente Médio, inclusive a retomada de negociações de paz israelense-palestinas; as negociações nucleares com o Irã; a guerra civil síria em agravamento e a consequente crise humanitária. Os oradores do fórum e os participantes discutiram as implicações destes eventos sobre os interesses dos Estados Unidos na região, para as relações EUA-Israel e para o processo de paz israelense-palestino."

É de se notar que o vídeo mais longo disponibilizado na página do evento é a "conversa com o ministro das Relações Exteriores Avigdor Lieberman", que acabou de voltar ao cargo após o afastamento causado pelas acusações de corrupção. Lieberman representa a extrema direita racista de Israel, com declarações frequentemente destrutivas para as negociações com os palestinos.

A "conversa" mediada pelo editor-associado do Washington Post, David Ignatius, durou quase uma hora, enquanto o discurso de Netanyahu, que tem uma postura quase tão racista e de direita, e a quem Lieberman pode vir a desafiar eleitoralmente, não chegou aos 20 minutos, e foi feito através de uma ligação online, já que o premiê "não pôde" comparecer pessoalmente.

Na fala, Netanyahu classifica "o laço especial entre Israel e os EUA" como "a âncora que mantém a estabilidade no Oriente Médio", uma região de "grande tumulto, grande violência e grande instabilidade", e agradece Obama pela dedicação a este laço, afirmando o direito de Israel de defender-se independentemente contra todas as ameaças.

E por "todas as ameaças", o establishment israelense costuma entender mais o "todas" do que as "ameaças", uma vez que, com o apoio incondicional e abrangente dos Estados Unidos, mantém um sistema generalizado de ocupação e agressão disseminada legitimado através da extensão dedicada da sua propaganda sionista e da cumplicidade das chamadas grandes potências, especialmente a norte-americana e a britânica.

http://www.iranews.com.br/noticia/11303/israel-fortalece-propaganda-sionista-no-meio-academico-dos-eua

 
9333
Loading. Please wait...

Fotos popular