Pravda.ru

Notícias » CPLP


Mercosul-Pacífico, um bom acordo

09.09.2014 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
Mercosul-Pacífico, um bom acordo. 20837.jpeg

SÃO PAULO - O oferecimento feito pelo governo chileno para atuar como pontífice (construtor de "pontes" de entendimento) entre Mercosul e Aliança do Pacífico deveria ser levado mais a sério pelo atual governo brasileiro, ainda que esteja em seus estertores, e, principalmente, pelos candidatos à presidência da República. Afinal, o Chile, além de membro associado do Mercosul, que é formado por Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai e Veneuzela, faz parte da Aliança do Pacífico, ao lado de Colômbia, Peru e México.

Milton Lourenço (*)

É verdade que o Brasil, por sua liderança natural e sua importância econômica, não necessitaria dessa intervenção chilena, mas a boa diplomacia recomenda que não se descarte aqueles com os quais se tem interesses convergentes. A partir da integração sul-americana, um pacto ou acordo entre Mercosul e Aliança do Pacífico seria decisivo para uma maior integração continental, com a definição de um bloco com posturas conjuntas e poderosas, tal como os blocos europeu e asiático.

Embora o Mercosul não preveja mecanismos que impeçam o Brasil de procurar alianças por sua conta e risco, o certo é que o País, talvez para não melindrar os parceiros, só fechou quatro acordos de comércio desde 1991. E com mercados modestos: Israel, Palestina, Egito e Índia. Desses, apenas o acordo com Israel está em vigência. E não foi por falta de oportunidades, mas por letargia da diplomacia brasileira. Afinal, segundo a Organização Mundial de Comércio (OMC), 354 acordos internacionais estão em vigor. E pelo menos a metade foi estabelecida a partir de 2003.

Portanto, o Brasil não soube perceber a tempo as transformações que começaram a se processar no mundo neste século. Primeiro, procurou apostar todas as suas fichas na Rodada Doha, que defendia regras multilaterais que seriam estabelecidas pela OMC, mas que redundou em rotundo fracasso. Depois, não soube aproveitar a oportunidade surgida com a Aliança de Livre Comércio das Américas (Alca), tendo trabalhado ao lado do governo argentino pelo seu malogro. E manteve-se indiferente ao processo mundial de expansão das preferências regionais.

Diante disso, não é de se descartar a proposta do Chile, que traz a experiência bem sucedida da Aliança do Pacífico. É de lembrar que Chile e México selaram, respectivamente, 21 e 13 acordos de livre-comércio, incluindo Estados Unidos e União Europeia. E, segundo projeções do Fundo Monetário Internacional (FMI), o Produto Interno Bruto (PIB) do Chile cresceu 4,1% em 2013 e deverá crescer 3% em 2014, enquanto o do Brasil subiu 2,3% em 2013 e deverá ficar em torno de 1,3% em 2014.

Para justificar a falta de ação, os governistas costumam argumentar que os países da Aliança do Pacífico não têm uma indústria desenvolvida como a brasileira e são dependentes da venda de algumas poucas commodities, o que facilitaria na hora de fechar acordos. Mas esse argumento é frágil, até porque o governo tem contribuído para o enfraquecimento da indústria e de sua participação na corrente de comércio (exportações/importações). Por isso mesmo, esse acordo com a Aliança do Pacífico seria uma grande oportunidade para aquecer as vendas da indústria brasileira.

_____________________________

(*) Milton Lourenço é presidente da Fiorde Logística Internacional e diretor do Sindicato dos Comissários de Despachos, Agentes de Cargas e Logística do Estado de São Paulo (Sindicomis) e da Associação Nacional dos Comissários de Despachos, Agentes de Cargas e Logística (ACTC). E-mail: fiorde@fiorde.com.br. Site: www.fiorde.com.br.

 

 
4505
Loading. Please wait...

Fotos popular