Pravda.ru

Notícias » Negόcios


Guerra dos Seis Dias: 50 anos de ocupação da Palestina

05.06.2017 | Fonte de informações:

Pravda.ru

 
Guerra dos Seis Dias: 50 anos de ocupação da Palestina. 26696.jpeg

Guerra dos Seis Dias: 50 anos de ocupação da Palestina

A 5 de Junho de 1967, o Estado sionista desencadeou a Guerra dos Seis Dias e ocupou a totalidade do território da Palestina histórica. Em comunicado, o MPPM sublinha o significado destes 50 anos de ocupação e reclama a independência da Palestina.

O apartheid israelita plasmado no muro (Margem Ocidental ocupada) Créditos/ english.palinfo.com

Recorrendo a pretextos inventados, como o do risco de extermínio do povo israelita - desmentido em 1971 por Mordechai Bentov, membro do Governo de Unidade Nacional em 1967 - ou o do risco iminente de um ataque por parte das tropas de Nasser, concentradas na Península do Sinai - desmentido em 1982 pelo primeiro-ministro Menachem Begin -, a 5 de Junho de 1967, Israel desencadeou, «sob o olhar complacente das potências ocidentais, uma guerra contra os países árabes seus vizinhos, Egipto, Síria e Jordânia» (ver informação adicional em The Intercept e HispanTV).

No texto hoje emitido, a propósito do 50.º aniversário da ocupação da Palestina, bem como dos Montes Golã, o Movimento pelos Direitos do Povo Palestino e pela Paz no Médio Oriente (MPPM) recorda que, «às primeiras horas da manhã [de dia 5, Israel] lançou um ataque de surpresa que destruiu no solo praticamente toda a aviação egípcia, prosseguindo nos dias seguintes uma agressão que conduziu à ocupação da Península do Sinai egípcia e de parte dos Montes Golã sírios».

Nesse momento, Israel concluiu ainda o que havia iniciado na guerra de 1948, ou seja, «a ocupação da totalidade do território da Palestina histórica (a antiga Palestina do Mandato)». Se, em 1948, «ocupara 78% do território (em vez dos 55% que lhe atribuía a resolução 181 da Assembleia Geral das Nações Unidas, de 1947)», em 1967 «ocupou os territórios restantes, que haviam ficado sob administração da Jordânia (Jerusalém Oriental e Margem Ocidental) e do Egipto (Faixa de Gaza)».

50 anos depois, prossegue a ocupação

Violando a resolução 242 do Conselho de Segurança da ONU, de 1967, a ocupação prossegue nos dias de hoje. No caso dos Montes Golã, destaca o MPPM, essa ocupação «constituiu-se num factor permanente de tensão e conflito em toda a região», e foi agravada pela «guerra de ingerência lançada contra aquele país soberano pelos EUA e os seus aliados na região» - e «na qual Israel tem desempenhado um papel fundamental».

No caso da Palestina, a ocupação de 1967 gerou uma nova vaga de deslocados e refugiados, que se juntaram aos da Nakba, «a Catástrofe que foi para os palestinianos a guerra de 1948», afirma o MPPM, acrescentando que a ocupação representou também: «humilhações quotidianas; roubos de terras e de recursos naturais, sobretudo água; repressão brutal, traduzida em mais de 850 mil presos; milhares de mortos, nomeadamente nas agressões de Israel contra a população da Faixa de Gaza, cercada desde 2006».

 

Apartheid e colonização

O documento destaca igualmente as consequências da construção do «vergonhoso Muro do Apartheid» para os palestinianos - «o esbulho de mais terras, o arranque de árvores, a divisão de povoações dos seus campos de cultivo e a ocupação de mais 10% do seu território» - e a «sistemática colonização dos territórios ocupados».

De acordo com os dados da ONU, actualmente «570 mil colonos israelitas vivem em cerca de 130 colonatos e 100 postos avançados na Margem Ocidental e em Jerusalém Oriental ocupados», pese embora a IV Convenção de Genebra proibir a instalação de população da potência ocupante no território ocupado.

Outros aspectos da ocupação israelita que o MPPM salienta são a dificuldade ou mesmo a impossibilidade de deslocação dos palestinianos na sua própria terra e a anexação de Jerusalém Oriental (não reconhecida internacionalmente), aliada a uma activa política de «judaização» e de expulsão da sua população palestina.

Resistência e apelo

Nestes 50 anos, o povo palestiniano «tem resistido por todas as formas à ocupação, à repressão, às violências, mantendo bem viva a sua identidade nacional que o ocupante procurou obliterar, e prossegue hoje a sua luta heróica pela dignidade, pela liberdade, pela independência», salienta o MPPM.

Neste sentido, defende que «é tempo de a comunidade internacional, no respeito dos seus compromissos, plasmados em inúmeras resoluções da ONU, obrigar Israel a pôr fim à ocupação de todos os territórios ocupados em 1967».

«É tempo de se tornar realidade o Estado palestino independente, soberano, contíguo, viável, com capital em Jerusalém Oriental», conclui.

in

 

 
6131
Loading. Please wait...

Fotos popular