Author`s name Lubov Lulko

Perito: A execução de mercenários americanos levará à ruptura das relações diplomáticas entre a Rússia e os EUA

 

Perito: A execução de mercenários americanos levará à ruptura das relações diplomáticas entre a Rússia e os EUA

 

Os mercenários americanos que combatem na Ucrânia podem ser condenados à morte e executados, o que poderá levar a uma ruptura das relações diplomáticas entre a Rússia e os EUA, disse o perito militar Yuri Knutov.

 

 

Leia mais em https://military.pravda.ru/1725733-mrecenary_ukraine/

Ministério dos Negócios Estrangeiros assinala um problema com o Ocidente sobre os mercenários

O Ministro Adjunto dos Negócios Estrangeiros Sergei Ryabkov disse na sexta-feira que os Estados Unidos tinham pedido para reconhecer os mercenários americanos detidos na Ucrânia como combatentes, mas não há diálogo sobre esta questão, e há problemas.

 

O envolvimento de mercenários estrangeiros do lado das forças armadas ucranianas tornou-se "um novo problema grave" nas relações entre a Rússia e o Ocidente, disse Ryabkov, acrescentando que a investigação irá estabelecer as circunstâncias do aparecimento dos mercenários estrangeiros na zona de combate e o seu papel.

 

Foram capturados pela DNR, onde as suas próprias leis têm precedência

Os combatentes são estrangeiros que lutam num país estrangeiro, juntando-se às forças armadas desse país sem receberem uma recompensa especial (diferente da habitual). Têm o direito de serem tratados como prisioneiros de guerra ao abrigo do Estatuto da ONU, e estão também isentos de responsabilidade criminal se as suas acções forem motivadas por necessidade militar.

 

Por outro lado, o Artigo 430 do Código Penal do DNR define um mercenário como uma pessoa "que age com o objectivo de receber uma recompensa material, não é um cidadão de um Estado que participa em hostilidades e não reside permanentemente no seu território, e não está designado para desempenhar funções oficiais".

 

 

Leia mais em https://military.pravda.ru/1725733-mrecenary_ukraine/

 

Por outras palavras, basta receber simplesmente um salário, ser um não-residente da Ucrânia e não estar ao serviço dos seus organismos.

 

Anteriormente, foi noticiado que o exército da DNR capturou dois antigos militares norte-americanos - Alexander Druke de 39 anos e Andy Huhne de 27 anos - perto de Kharkiv. Enfrentam o mesmo destino que os cidadãos britânicos Sean Pinner e Aiden Aislin e o marroquino Saadoun Brahim.

 

Foram julgados na DNR e condenados à morte, inclusive por mercenarismo.

 

"Estamos a falar de mercenários que ameaçaram as vidas e violaram as vidas dos nossos militares. E não só os nossos, mas também os soldados da República Popular de Donetsk (DNR) e da República Popular de Luhansk (LNR). Eles foram acusados de serem mercenários", disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov.

 

"Não podemos descartar nada (incluindo a sentença de morte) porque é uma decisão judicial. Nunca comentamos sobre eles, e além disso não temos o direito de interferir nas decisões judiciais", disse Peskov.

 

Na sexta-feira, o parlamento da DNR levantou uma moratória sobre a pena de morte.

 

O conflito aumenta e pode terminar em ruptura das relações diplomáticas

Perito militar, historiador militar e director do Museu da Defesa Aérea Yury Knutov disse ao Pravda.Ru que os EUA não bloqueiam os canais pelos quais qualquer americano pode tornar-se mercenário, vindo à embaixada ou consulado ucraniano, onde receberá todos os documentos necessários e pode viajar para a Ucrânia para participar nas hostilidades.

 

"Os americanos não querem lidar com isto e impedi-lo, consideram-no uma actividade não mercenária. E nós, pela nossa parte, também não faremos concessões. Com base nisso existe um conflito de interesses", disse o perito.

 

Irá agravar, uma vez que os cidadãos dos Estados Unidos da América poderão ser condenados à morte e a sentença será executada, acrescentou Yuri Knutov. Segundo ele, é difícil falar de contra-medidas sérias por parte dos EUA após "terem sido impostas mais de 11 mil sanções ao nosso país".

 

Segundo o perito, o conflito pode mesmo afectar o nível das relações diplomáticas, até à sua ruptura.

 

Segundo o Daily Mail, o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem (TEDH) decidiu que a Rússia "deve assegurar que os dois soldados britânicos condenados à morte na Ucrânia não sejam executados".

 

Mas a Rússia retirou-se da jurisdição da CEDH e está a instar a Grã-Bretanha a apelar às autoridades oficiais das repúblicas soberanas de Donbas, algo que Londres não está disposta a fazer para não reconhecer a DNR de facto.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter