Author`s name Lubov Lulko

Romênia às vésperas da unificação histórica com a Moldávia

A Romênia está mais interessada na desestabilização da Transnístria, que pode realizar seus sonhos de unificação com a Moldávia e resolver a questão do "separatismo da Transnístria" com a ajuda da OTAN.

Bombardeios e explosões na Transnístria todos os dias

Em 27 de abril, as autoridades da República da Moldávia Pridnestroviana (PMR) acusaram Kiev de usar drones sobre a vila de Kolbasna, na região de Rybnitsa, onde está localizado o maior depósito de munição de fabricação soviética. É guardado por forças de paz russas.

 

Em Tiraspol, eles afirmam que o bombardeio foi realizado a partir do território da Ucrânia, mas foi insignificante. Anteriormente, explosões foram registradas no PMR (Tiraspol, Grigoriopol e Parkany). Duas antenas de telecomunicações que transmitem rádio russa, o prédio do Ministério da Segurança do Estado (MGB) em Tiraspol e uma unidade militar na vila de Parkany foram danificadas.

 

 

O rastro russo, é claro, foi imediatamente encontrado, mas não há razão para Moscou criar um foco de tensão na região pró-Rússia.

Traço ucraniano

Outra coisa são os interesses ucranianos, que estão diretamente relacionados ao depósito de munições. Do armazém até a fronteira com a Ucrânia são apenas dois quilômetros. A Interfax informa que o ataque à sede do MGB foi realizado por três pessoas que entraram na Transnístria do território da Ucrânia através do posto alfandegário de Novovladimirovka, disparadas de um lançador de granadas e depois deixaram o país pelo mesmo local.

Aleksey Arestovich, conselheiro do presidente da Ucrânia, disse que a Transnístria pode ser "facilmente" conquistada pela Ucrânia se as autoridades moldavas pedirem, e elas podem pedir.

Ucrânia fornece um pretexto para a união da Romênia e da Moldávia

É provável que a desestabilização pelas mãos dos ucranianos funcione para a união da Romênia e da Moldávia. Houve uma oportunidade para resolver a questão da união dos dois países de língua romena sob as histórias da "invasão russa".

Segundo Adevarul, a unificação dos dois países "deveria ter ocorrido mais cedo, mas o desejo dos moldavos e sua liderança de ter um estado soberano e independente era compreensível".

“Mas agora estamos em uma situação crítica”, explica a publicação, já que “a Rússia quer estabelecer um regime obediente em Chisinau”.

Este objetivo, segundo o jornal, pode ser alcançado em três dias, porque a Moldávia não tem capacidade de resistir aos "ocupantes" russos. A publicação clama por um passo histórico em direção à união por meio das decisões dos dois parlamentos, que estarão disponíveis em poucos dias, e os referendos podem ser adiados para uma data posterior.

De fato, isso é possível, já que o partido de Maia Sandu agora tem a maioria no parlamento moldavo.

"Tudo isso para tornar a Moldávia um território da OTAN e permitir a entrada imediata de tropas da OTAN para protegê-la", destaca o jornal.

Ou seja, não haverá guerra, tudo será feito de forma completamente “pacífica”.

Apela à paz no contexto do bloqueio da Transnístria

Neste contexto, as garantias do ministro da Defesa romeno, Vasile Dincu, que refutou a possibilidade de uma "guerra" na Moldávia, são bastante compreensíveis.

"Não acho que haja possibilidade de uma guerra na Moldávia, que, deixe-me lembrá-lo, é neutra militar e politicamente", disse Dincu em comunicado transmitido pelo canal de TV local Digi24.

Na terça-feira, 26 de abril, a presidente Maia Sandu disse estar aberta ao diálogo diplomático pacífico.

"Condenamos quaisquer desafios e tentativas de envolver a Moldávia em ações que possam comprometer a paz no país. Chisinau continua insistindo em uma solução pacífica do conflito da Transnístria", disse Sandu.

O Presidente salientou que a Moldávia não pretende bloquear a Transnístria. No entanto, as ações recentes falam por si. Trata-se do bloqueio das operações comerciais da maior metalúrgica da PMR, e da falta de abastecimento de medicamentos e alimentos.

Acrescentamos que em março Sandu repetiu o apelo à retirada das tropas russas da Transnístria - um dia após a Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa declarar esta região "território ocupado pela Rússia".

PMR anuncia "divórcio" da Moldávia

Obviamente, a situação na Transnístria está se deteriorando rapidamente. Como se antecipasse a implementação do cenário descrito, o ministro das Relações Exteriores do PMR Vitaly Ignatiev disse que chegou a hora de acabar com o conflito que se arrastava há 30 anos e concluir um tratado de paz.

"A guerra contra a história e o bom senso travado pelas autoridades da Moldávia, bem como o curso que escolheram para a aproximação com a UE e a Otan, mostra que a Moldávia e a Transnístria nunca estarão juntas", disse Ignatiev.

Segundo ele, o ponto sem volta nas relações com Chisinau foi ultrapassado em 17 de setembro de 2006, quando o povo da PMR votou em referendo para construir um Estado independente.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter