Author`s name Fernando Soares Campos

O balé subaquático dos fischs

por Fernando Soares Campos(*)


O jovem Albert Einstein estava sentado numa pedra à beira de um belo lago da Alemanha dos anos 1920. Na mão esquerda, uma vara de pesca; a direita, punho cerrado, sustentava o queixo que insistia em cair diante do cenário hollywoodiano que enchia seus olhos de poesia e a brilhante cabeça de pensamentos relativos à sua existência no Planeta: Quem fui? Quem sou? De onde vim? Pra onde vou?

Súbito!

― Pra onde foi o peixe que fisgue?!

Na verdade, ele não havia fisgado coisa alguma, pois o esperto fisch apenas comia pelas beiras, fazendo a linha tremelicar.

Paciente, Einstein baixou a vara (de pesca, claro), tocou a ponta no espelho d’água, provocando uma daquelas marolas 360°, como as que a criançada provocava nos poços do rio Ipanema, arremessando seixos, apostando quem faria o maior número de toques e torcendo para fazer as marolas atingirem a margem oposta.

Einstein ainda pensou em encerrar a pescaria, isso num dia em que entendeu que o lago não estava pra pescador, porém decidiu fazer mais uma tentativa. Recolheu a linha, espetou uma atrativa minhoca no anzol e, com habilidade de pescador escolado nas lidas dos judeus pobres que preferiam pescar a ganhar o peixe através da bolsa-família do governo alemão, arremessou a cobra-cega à própria sorte. Desta vez ficou atento à possível fisgada de um freund-gold, espécie bastante cobiçada pelas loiríssimas mädchens da época.

Desligando-se um pouco da pescaria, Einstein se distraiu com seu esporte predileto: pensar, meditar tranquilo. Daquela vez, tentando se decidir sobre duas propostas de emprego: uma oferecida pelo avô de Herr Bornhausen; outra, pelo pai de seu infanto-amigo Oscar Wind, filho de Gelei Müller, judeu que nem ele, mas ainda de calças curtas.

A empresa dos Bornhausen, na época, era uma das maiores da Europa no ramo de emprestar com uma mão e receber com a cabeça, tronco e membros eretos. Enquanto a microempresa do pai de seu amiguinho Oscar Wind, fabricante de cola de sapateiro, começava a dar prejuízo, em vista da concorrência desleal; pois, quando há lealdade na concorrência, ninguém pode duvidar: todos saem ganhando.

Enquanto Einstein ponderava as vantagens e desvantagens de cada empresa, lá no fundo do lago um brasileiríssimo lambari-dourado, que fazia intercâmbio cultural em águas germânicas, encontrou-se com um freund-gold, seu deutsch colega, e decidiram jogar conversa fora no Kerr Riba Bar, ambiente aconchegante a bordo de uma naufragada embarcação, que fora flagrada pelos alemães em missão de espionagem, durante a Primeira Grande Guerra.

Depois de brindarem tulipas de chope e beliscarem pasteis de camarão, o lambari-dourado puxou uma prosa versátil. Perguntou ao deutsch companheiro de malocas subaquáticas:

— O que seria melhor, ser cabeça de sardinha ou rabo de tubarão?

— Depende...

Falou, mas não pensou, pois, se tivesse pensado, o deutsch não teria vacilado diante de um reles latino metido a esperto.

— Depende do quê?

— Sei lá! Talvez das águas por onde navegue, das ilhas por onde aporte, das jacentes por onde ande...

Em seguida, o freund-gold degustou o chope salgado, cofiou o bigode e se recostou na antepara da nau flagrada na guerra. Ficou a espiar por uma escotilha de boreste. Avistou um cardume de fisch que redemoinhava num fantástico balé submarino. Entre eles, eis que surge um faminto predador, disposto a saciar a fome nas águas claras do lago.

Corta para Einstein na posição de pescar. Ponta da vara apontando para o horizonte. Linha em oblíqua descensão. Lá na ponta, um peixão se debatendo, estrebuchando. O bicho não queria subir, resistia aos trancos do pescador.

Enquanto o robalo fisgado se debatia, lutando contra os solavancos na vara de pesca, a sua parceira robala provocava inveja a um cardume de sardinha. Ela queria ser a próxima a ser fisgada. Sentia-se feliz diante da possibilidade de vir a ser comida pelo notável cientista, que, àquela altura do campeonato, já estava com o Nobel na ponta da linha.

Lembram daquela brincadeira de telefone com uma lata na ponta de uma linha e outra lá tinha na extremidade oposta? Pois bem, foi aí que o robalo que subia fisgado passou pela escotilha e viu os amigos no maior papo no Kerr Riba Bar. Quase teve um troço, só de imaginar que, poucos minutos antes, o lambari-dourado o havia convidado para aquela confraternização, e ele, num tremendo domingo de pesca, resolveu passear pelos bosques arrecifados, de bobeira, tendo a tiracolo sua robala carnavalesca.

Agora imagine o sufoco: o robalo fisgado sendo puxado para cima, deixando lá embaixo a rolala sonhadora...

Mas, como dizíamos em meio a papos-cabeça, nos melhores momentos do século passado, entre chopes e mijadas: “Não há mal que não traga um bem, mesmo que seja em forma de outro mal”.

O robalo roubado de sua sorte era mudo como todos os robalos, mas não era surdo como quase todas as cobras. Ele havia feito um curso de verão através de intercâmbio cultural e, para compensar a maré de azar, foi um curso de leitura labial. Mas vejamos como o destino pode ser cruel: o sujeito estudou a vida toda, porém o que aprendeu só iria lhe servir no corredor da morte.

Einstein, ainda meditativo, portanto indeciso sobre a escolha da empresa para a qual trabalharia, sentiu finalmente a linha puxando e a vara tremelicando... Tremelicando, sim, mas de forma especialíssima, em Morse. E o que dizia a vara? Ou melhor, que mensagem Einstein recebia pela linha, propagando-se em sua vara? Nada mais, nada menos que a leitura labial que o robalo condenado fazia sobre o papo dos amigos no Kerr Riba Bar:

— Se eu fosse você, aceitaria ser cabeça de sardinha; entretanto, considerando que eu sou eu, e Nicuri é o diabo solto na capoeira, prefiro ser rabo de tubarão ― disse o lambari-dourado

A vara de Einstein tremelicou, tremelicou, até que, tremelicadamente ereta, decidiu-se:

Mar vermelho sob céu azul tanto colore de violeta quanto de azul-turquesa, depende da intensidade dos ingredientes aplicados.

É relativo, né?

Einstein não colocou o violino no saco sem antes executar os primeiros acordes do mozartiano Réquiem KV 639.

Tempos depois...

Cardume feliz! Navegando por mares nunca antes navegados.

(*) Fernando Soares Campos é escritor, autor de "Saudades do Apocalipse - 8 contos e um esquete", CBJE, Câmara Brasileira de Jovens Escritores, Rio de Janeiro, 2003; "Fronteiras da Realidade - contos para meditar e rir... ou chorar", Chiado Editora, Portugal, 2018.

Subscrever Pravda Telegram channel, Facebook, Twitter